Covid-19 impacta receitas das satelitais, mas há oportunidades de crescimento

Foto: Pixabay

O mercado de satélites sofreu impacto com a covid-19, mas também passa por grandes transformações em tecnologias e modelos de negócio, conforme dados da Euroconsult. Os efeitos nas receitas provocaram um aumento na pressão das margens, o que levou a uma mudança no ecossistema, com fusões, aquisições e desafios de estabilidade financeira para as empresas. Mas há oportunidades a serem desbravadas.

Durante a pandemia houve uma maior demanda por conectividade, com dados para streaming e cloud com a aceleração do processo de digitalização. Por outro lado, houve redução no ritmo de projetos, especialmente com processos administrativos.

O pior impacto foi para os segmentos de comunicação marítimas e em voos. "Não traz oportunidades de conectividade, mas o impacto em instalações e número de aeronaves ativas vai ter um efeito de médio a longo prazo", destacou o CEO da Euroconsult, Pacôme Revillon, durante o Congresso Latinoamericano de Satélites 2020, nesta quinta, 1º. O evento é organizado pela Glasberg Comunicações e promovido pelo TELETIME

Baque na receita

Houve redução de 4,5% nas expectativas de receitas para 2020, ficando abaixo de US$ 11 bilhões. E esse efeito terá efeito de longa duração, com previsão de volta a crescimento apenas em 2022, chegando a ficar em torno de US$ 19 bilhões em 2028, o que representa US$ 500 milhões a menos do que a consultoria previa inicialmente.

As receitas dos quatro maiores operadores satelitais de serviços fixos (FSS) no primeiro semestre de 2020 caíram 6,7%, em especial com a queda de 7,6% nos serviços de mídia (DTH, vídeo) e de 6,6% em dados, enquanto os serviços para governo chegaram a apresentar alta de 0,5%. Por sua vez, considerando apenas as empresas Hughes e Viasat (excluindo desta as receitas de governo), houve aumento de 2,1% nas receitas. A Iridium, ainda mais: 3,1% de alta. 

Mercado

A pressão nessas receitas leva a mudanças no ecossistema. "Várias companhias estão em diferentes estágios de Chapter 11 [recuperação judicial] e estão se organizando", afirma Revillon. Outras passam por processo de fusão, com direção a verticalização, como a aquisição da Bigblu Broadband pela Eutelsat na Europa e na venda da Gogo para a Intelsat. "São exemplos, mas podem ser os primeiros movimentos que levam a mais nessa linha."

Oportunidades

"A covid-19 vai atrasar o crescimento que esperávamos, é um tempo de incerteza. Mas esperamos que a indústria poderá ter novo ciclo de crescimento com novos serviços e capacidades, e é uma conquista muito grande chegar próximo a US$ 20 bilhões em 2028", explica Pacôme Revillon.

Na visão do CEO da Euroconsult, há tendências que mostram um cenário de oportunidades. Entre elas, Revillon cita:

  • HTS 3.0, com capacidade totalmente flexível, e inclusive "integração vertical com ISPs";
  • Acesso, mobilidade, enterprise e defesa;
  • Mesmo em erosão, o vídeo ainda será um mercado de US$ 4 bilhões até 2029.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.