Caribenha Digicel bloqueará publicidade online em sua rede

Foto: Noel Abejo/FreeImages.com

Em uma clara declaração de guerra contra as companhias de over-the-top (OTT), a operadora caribenha e do Pacífico Sul Digicel anunciou na quarta, 30, que adotará uma tecnologia que controla e bloqueia, ainda na camada da rede, a exibição de anúncios online. A empresa alega que a utilização da solução da israelense Shine Technologies vai "garantir uma experiência melhor para usuários e vai encorajar empresas como Google, Facebook e Yahoo a ajudar a conectar as 4,2 bilhões de pessoas sem acesso pelo mundo". Justifica ainda que a publicidade móvel chega a consumir até 10% da franquia de dados dos usuários.

A Digicel inclusive propõe que "redes de publicidade como Google, Yahoo e Facebook entrem em acordos de compartilhamento de receita (com a operadora) para abrir caminho por cima do dividendo digital". A companhia é direta: quer essa fatia do bolo, alegando que será reinvestida em implantação de rede. "Atualmente, essas companhias não pagam para usar a rede e os serviços que elas proveem nela chupam (sic) a banda para fazer dinheiro para eles próprios por meio de publicidade enquanto não colocam dinheiro algum nisso."

A medida começará na Jamaica, chegando depois a outros mercados no Caribe e no Pacífico Sul nos próximos meses. A tecnologia da Shine atua diretamente na rede, bloqueando publicidade em banner e em vídeo tanto em navegadores móveis quanto aplicativos.

O chairman do grupo Digicel, Denis O' Brien, explicou em comunicado que as três OTTs citadas "tomam muito crédito quando se trata de levar a banda larga para todos – mas não colocam dinheiro nisso", uma clara referência a iniciativas como Internet.org, do Facebook. Ele afirma ainda que as companhias atuam de maneira "sem vergonha". "Isso é inaceitável, e nós, como operadores de rede, estamos fincando o pé para força-los a colocar as mãos nos bolsos e tomar um papel real em melhorar as oportunidades para empoderamento econômico para a população global".

Análise

A tentativa da Digicel de pressionar as OTTs a estabelecer um "acordo de compartilhamento de receita" por meio do bloqueio da publicidade esbarra em duas ressalvas: a quebra da neutralidade de rede, já que a filtragem ocorre na camada de rede e antes de chegar ao usuário final; e a duvidosa ética da prática comercial. O próprio teor do comunicado mostra uma postura passivo-agressiva da operadora.

Não foi a primeira vez. A Digicel anunciou em junho do ano passado a intenção de bloquear aplicativos de comunicação como Viber e Nimbuzz por "usarem muito da capacidade de banda e não pagarem a rede para ter acesso". Usou linguajar forte também, chamando essas OTTs de "serviços de VoIP não-autorizados". Na época, a atitude gerou fortes críticas do governo jamaicano, que se comprometeu em favor da neutralidade de rede.  A lei de competição daquele país ainda proíbe práticas que limitem ou comprometam o serviço prestado para privilegiar outras empresas.

A diferença é que agora a Digicel tenta passar a imagem de que o bloqueio traz benefício para o usuário final e para a universalização do acesso. Chega a ser irônico ressaltar que o chairman da Digicel, Denis O'Brien, foi recentemente eleito como membro da comissão de banda larga da União Internacional de Telecomunicações (UIT).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.