Para Rezende, revisão do modelo de concessão é oportunidade para desregular setor

Nos corredores do 59º Painel Telebrasil e durante os painéis do primeiro dia do evento anual da Associação Brasileira de Telecomunicações o grande assunto, como não poderia deixar de ser, foi a assimetria na competição das teles com os serviços over-the-top (OTT), que por se tratarem (esses últimos) de serviços de valor adicionado e não se confundirem com telecomunicações, não estão sujeitos à regulação da Anatel.

Para o presidente da agência, João Rezende, num primeiro momento não há elementos que caracterizem serviços como o WhatsApp como serviço de telecomunicações. "O serviço de valor adicionado é complementar ao de telecomunicações, o usuário quer o serviço (OTT) e já paga pela conexão de dados. É uma questão de modelo de negócios e é importante dizer que os serviços de dados não têm preço regulado pela Anatel. As operadoras colocam os preços de acordo com sua estratégia de competição no mercado", avalia Rezende.

Entretanto, o presidente da Anatel pondera que isso não impede que a agência avalie formas de equilibrar a balança entre teles e OTTs. E isso não significaria uma regulação dos OTTs, mas, sim, desregular os serviços de voz "Existe o debate e as teles têm de aproveitar esse momento em que se discute a revisão do modelo de telecomunicações, das concessões, para tirar o peso do setor (de telecom) e encontrar formas de desregular", diz. Isso, claro, sem abrir mão do papel da agência de garantir a qualidade dos serviços de telecomunicações.

"De qualquer maneira, o momento é positivo para esse debate", conclui Rezende, que participou na noite desta segunda, 31, da cerimônia de abertura do Painel Telebrasil, em Brasília.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.