Carga tributária impede investimentos, reclamam as teles

Diante do cenário de crise econômica, o setor de telecomunicações elevou o tom em relação ao peso da carga tributária, sobretudo em impostos estaduais como o ICMS e da destinação das taxas dos fundos de fiscalização. Durante debate de abertura do segundo dia do Painel Telebrasil nesta terça, 1º, a indústria se mostrou insatisfeita e ressaltou que isso impede mais investimentos.

O presidente da Algar Telecom e novo presidente do Telebrasil, Luiz Alexandre Garcia, lembra que os tributos acabam sendo repassados ao consumidor. Por conta disso, o argumento dele é que a desoneração tributária permitiria o incentivo ao consumo, diminuindo o preço do serviço na ponta e permitindo levá-lo a clientes de baixa renda. Garcia também lembra que é possível utilizar fundos como Funttel, vinculado à telefonia fixa atualmente, para desenvolver a indústria nacional, incentivando a pesquisa e desenvolvimento, e a própria Anatel. "Temos certeza que não são utilizados na forma na qual deveriam", considera.

O advogado do escritório Sacha Calmon, André Mendes Moreira, aponta não apenas o peso excessivo da carga tributária, mas também das metas de universalização e qualidade impostas pelo poder público às teles. "Não seria mais razoável cobrar daqueles que fornecem os serviços de valor adicionado (SVA) ou over-the-top (OTT) essas contribuições que visam a universalização e desenvolvimento da tecnologia da rede que propicia o próprio desenvolvimento? Pedágio deve ser cobrado de quem usa a rodovia, não de quem a mantém", provoca.

Ele critica ainda a cobrança da taxa de fiscalização de instalação (TFI) em situação de prorrogação de licença, alegando ser redundante para equipamentos que já estão instalados e que já pagaram TFI. Da mesma forma, argumenta que a alíquota do ICMS para telecom, assim como energia elétrica, não pode ser superior à alíquota genérica em cada Estado, "que geralmente é de 17%", considerando o serviço de telecom como essencial.

O presidente da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA), Oscar Simões, cita um estudo da Fipe no qual estabelece um suposto impacto no setor de TV paga com o repasse do ICMS acima dos 10% sobre a receita líquida. "Se a gente repassar, provavelmente o setor terá uma redução na base de dois milhões de assinantes, e isso nos parece ser claramente na contramão do mercado."

Fundo sem buraco

Segundo o Telebrasil, as empresas de telecomunicações arrecadaram R$ 84 bilhões desde 2001 em fundos setoriais, mas apenas 7% desses tributos teriam sido aplicados. Até 2015, foram pagos R$ 60 bilhões em tributos, que representam 43% da receita líquida das operadoras brasileiras. "Isso nos coloca como líderes mundiais em arrecadação de tributos no setor", ressalta Luiz Garcia, da Algar. Desse total, mais de 50% (R$ 33 bilhões) são destinados ao pagamento do ICMS, que tem alíquotas que variam de 25% a 35%, dependendo do Estado.

Em contrapartida, os investimentos realizados no ano passado foram de R$ 37,4 bilhões. Por outro lado, a relação de Capex/receita líquida vem crescendo: em 2009 era de 17%, e agora chega a 22%. A margem EBTIDA, por sua vez, é decrescente no mesmo período, saindo de 38% para 26%.

Para o presidente da Embratel, José Formoso, além da questão do peso da carga tributária, movimentos que sinalizam mudança de rumos do governo também são ruins. É o exemplo da Lei do Bem, que desonerava smartphones e que foi suspensa pelo governo como parte do programa de ajuste fiscal. "Quando temos um sinal desse tipo, temos mais insegurança de investir".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.