TCU suspende processo de contratação do SGDC 2

Satélite brasileiro SGDC

O Tribunal de Contas da União (TCU) suspendeu o processo de contratação do segundo Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC 2) da Telebras após identificar ilegalidades na escolha de empresa para as fases de solicitação de informações (RFI, na sigla em inglês) e solicitação de propostas (RFP) de fornecedores para o projeto. Ainda segundo a corte, também não estão comprovados "pressupostos necessários" que justifiquem o investimento no artefato.

A decisão foi assinada pela ministra Ana Arraes. De acordo com a relatora, o aviso de inexigibilidade de licitação publicado pela Telebras em março de 2018 – e que culminou na contratação da integradora Visiona para realização da RFI e da RFP – não foi legal, gerando inclusive "fragilidades na análise do preço proposto" (R$ 10,5 milhões). A Visiona é fruto de joint-venture entre a Embraer e a Telebras, que controlam 51% e 49% do capital da empresa, na ordem, e foi a empresa responsável pela integração do SGDC 1.

Uma das razões para a decisão é que não haveria base normativa que fundamente a atuação do Comitê Gestor e Grupo-Executivo do SGDC 1 na condução do processo, uma vez que a finalidade dos dois órgãos seria vinculada apenas ao primeiro artefato. Por conta disso, a corte afirma ser "necessário que seja editado outro decreto para que o atual Comitê Diretor tenha competência para decidir acerca do SGDC 2", resolvendo assim o "vício de competência" nos atos decisórios. Segundo apurou este noticiário, a contratação do SGDC 2 já estava suspensa antes mesmo da decisão do TCU se tornar pública, justamente porque aguarda-se a publicação de um novo instrumento normativo autorizando o início da fase de estudos e contratações do futuro satélite.

O Comitê Gestor do SGDC conta com representantes do MCTIC e do Ministério da Defesa, enquanto o Grupo-Executivo reúne as pastas, Telebras, Agência Espacial Brasileira (AEB) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Questionamentos

Além disso, o TCU questionou a própria necessidade da contratação de um segundo artefato para oferta de Internet; segundo a relatora, há "aparente contradição" entre a justificativa para o investimento no SGDC 2 (a demanda crescente por banda larga no País) e o modelo de negócios escolhido pela Telebras no SGDC 1, que incluiu o repasse de 58% da banda satelital civil para uma parceira da iniciativa privada (no caso, a Viasat).

Outro ponto de questionamento levantado foi a capacidade de investimento do País no programa, visto que não haveria "lastro no planejamento orçamentário e financeiro da União para os anos de 2018 e seguintes" reservado para tal objetivo. Nesse sentido, a Telebras já afirmou que espera financiar o SGDC 2 majoritariamente com receitas próprias.

De forma geral, o TCU exigiu a apresentação, em 60 dias, de novo estudo de demanda de capacidade, de plano orçamentário-financeiro, de plano de negócios e de especificações técnicas do SGDC 2 antes que a fase de recebimento de propostas seja iniciada. Uma justificativa da precificação realizada na contratação da Visiona também deve ser apresentada no período. (Colaborou Samuel Possebon)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.