Presidente da Claro confirma início de sobreposição do cabo com fibra

Corte do node em fibra na zona sul de São Paulo. Foto: Bruno do Amaral

A Claro defende que a tecnologia HFC na banda larga fixa continua competitiva e basta para as necessidades dos clientes mais exigentes. Mas o fato é que a fibra tem ficado cada vez mais barata, incluindo para equipamentos, e há algum tempo a estratégia da operadora já tem sido de ir direto para o FTTH nas novas praças. Mas agora, pelo menos em alguns lugares como a zona sul de São Paulo, a solução do GPON está sobrepondo a rede HFC da operadora. Só que não se trata de uma substituição integral.

Em entrevista exclusiva ao TELETIME, o presidente da Claro, José Félix, confirmou que isso de fato está acontecendo, mas não porque a rede atual precisa de atualização. "O que você está vendo é uma decisão nossa do ponto de vista de engenharia e financeiro", declarou. Este noticiário apurou que essa substituição pela fibra até a residência está em plena fase de implantação, ainda que a oferta ao consumidor não tenha chegado necessariamente. 

Félix explica que a rede HFC é totalmente competitiva, entregando até 1 Gbps atualmente por meio da tecnologia DOCSIS 3.1. "Eu asseguro que foi uma escolha acertada." Mas para aliviar a capacidade dos nós de rede, a engenharia manda os técnicos de campo cortarem o coaxial cada vez mais próximo da casa do cliente. E nesse processo basicamente de gestão da infraestrutura, o FTTH se tornou viável. 

Notícias relacionadas

"Por incrível que pareça, ao longo dos anos, colocar a fibra se tornou mais barato do que fazer esse tipo de rede coaxial. Por isso que eu não a coloco mais em rede nova, faço tudo GPON [fibra] quando é green field", coloca o executivo, citando novas praças. Mas também a quebra dos nós no HFC está mais custosa do que quebrar direto com fibra. 

"Agora, prefiro fazer a quebra dos nodes não mais em HFC, mas em GPON. Eu escolho esse braço onde tem alta densidade de pessoas servidas (…) e com isso aliviamos todos os assinantes do node. Quem quer passar para GPON passa, quem não quer, não precisa. Mas é aí que aparece a sobreposição de GPON ao HFC." Ou seja, o assinante que quiser migrar para o FTTH nesses lugares onde já houve a sobreposição pode fazê-lo. Para a Claro, isso seria indiferente.

José Félix insiste que não se trata de procurar atualizar a rede em regiões com maior ticket médio. "Eu estou satisfeito com a rede HFC. Faço isso onde tem saturação do node, é uma decisão de engenharia". Por não ser uma decisão mercadológica, a adoção da fibra óptica não vem com nenhuma mudança de planos para o consumidor de banda larga fixa.

Há outra variável: a rede HFC serve ao serviço de TV a cabo. Caso o cliente passe para a rede GPON e fosse cliente do serviço de TV, ele teria que passar para a solução do Claro TV+, que é o serviço de TV da Claro via rede banda larga.

Piloto

Há ainda uma outra possibilidade na Zona Sul paulistana: um piloto que está sendo feito com engenheiros e técnicos da Claro que moram nas imediações do bairro de Moema. A intenção é fazer análises de comparações, performance, custo, velocidade e manutenção, por exemplo. "E aí sobrepusemos a rede mesmo." 

Futuro

O fato é que, nas palavras do próprio presidente da operadora, com o tempo acontecerá de o FTTH se sobrepor à rede HFC. "Naturalmente, tudo vai virar GPON, porque vai picoteando muito a rede", declarou Félix a este noticiário, ressaltando também que os equipamentos para a infraestrutura de fibra estão ficando cada vez mais baratos. 

Maior operadora de banda larga no Brasil, a Claro é disparada a maior a utilizadora de cabo e a única com base relevante, já que dos 9,08 milhões de acessos HFC no Brasil a empresa detém 8,96 milhões. Os demais 134 mil acessos são de pequenos provedores como a Cabo, MHNet e mesmo a Unifique. Somando o HFC com os 599 mil acessos em FTTH, a tele do grupo América Móvil conta com 9,561 milhões de acessos banda larga fixa no total.

11 COMENTÁRIOS

  1. Aqui no Interior RJ meu provedor regional já coloca fibra dentro da casa até o modem, há muito tempo. E a Oi também coloca a fibra até seu modem/roteador, dentro de casa . Fio metálico só serve hoje em dia a instalações internas .

  2. O mais engraçado é que ele diz que "ele" está satisfeito. Achei que o cliente deveria ser o principal satisfeito. Fato é que se a Claro não se mexer eles vão perder mercado. Aqui no prédio, durante a pandemia, a Vivo Fibra chegou e 90% mudou pra fibra. Eu mesmo fui um deles. O serviço híbrido é sim inferior, sofre instabilidades e entrega um upload sofrido, que é uma vergonha.

  3. Que absurdo.. depois as concessionária depreciam os técnicos que trabalham com fibra..
    Se em uma postagem onde envolve o presidente da Claro o técnicos está em cima da escada sem nenhum EPI e EPC.. imagina quando estão trabalhando sem supervisão..
    Cadê o pessoal de segurança no trabalho???

  4. É uma empresa trata mal os clientes. Eu contratei um plano de Internet residencial, deu tudo certo no cadastro e marcaram que visita do técnico iria no dia seguinte, até hoje estou esperando. E fui procurar saber, e me disseram que foi cancelado e não me disseram o motivo. E se quisesse ter o serviço, tinha que dar outro CPF, então dei do meu irmão. Mas aconteceu a mesma coisa. Então é essa a forma de tratamento com os clientes, da Claro Net.

Deixe seu comentário