Operadoras sugerem parcerias com governo e políticas para conectar a Região Norte

Foto: Pixabay

A elaboração de políticas públicas é a saída para conectar as áreas remotas da região Norte. Este foi o consenso entre os debatedores que participaram da audiência pública na Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA) na quarta, 30, que discutiu a qualidade dos serviços de telecomunicações na região Norte.

Enylson Camolesi, Diretor de Relações Institucionais da Vivo, aponta que garantir a conectividade na região é um desafio. Ele acredita que as políticas públicas voltadas para a região Norte devem ser realizadas com parceria público-privada. "Devemos ter projetos públicos, em parcerias publico-privada, para fazer a conexão chegar. Além disso, TACs e obrigações de fazer são também medidas que podem ser usadas para ampliar o acesso na região", disse o executivo da Vivo.

O Gerente de Relações Institucionais da Oi, Helton Rocha Posseti, lembrou que, hoje, a obrigação que recai sobre as empresas de telecomunicações não contempla distritos que estão fora da área urbana da sede do município. "Hoje, é por meio de políticas públicas que poderemos levar o serviço para esses municípios. A política pública pode vir o sentido de garantir a construção de backbone e backhaul que leve conectividade para as pessoas naquela região. O PAIS (Programa Amazônia Integrada e Sustentável) objetiva fazer isso", disse Posseti.

Notícias relacionadas

Para Leandro Guerra, Diretor de Relações Institucionais da TIM, as políticas públicas devem ser coordenadas com estados e municípios. Além disso, o executivo apontou que é preciso compartilhar infraestrutura, o que permite otimização de recursos e mais áreas atendidas. "Isso é chave para a conectividade na região norte", afirmou Guerra. Ele também destacou que na região Norte, outros fatores dificultam a conectividade, como as falhas na rede de transporte, falhas no hardware e falhas de energia. "Há instabilidade de fornecimento de energia na região. Hoje, isso afeta muito a nossa oferta de serviço", afirmou.

Reforma tributária

A questão tributária também foi outro assunto apontando como necessário para conectar a região Norte. Daniela Martins, Gerente de Relações Institucionais e Governamentais da Conexis Brasil Digital, informou que a carga tributária no setor de telecomunicações hoje fica na faixa de 40%, chegando em alguns estados país a 60%. Quase metade da conta ao consumidor chega na forma de impostos. "Uma reforma tributária ampla e justa é necessária para termos preços mais acessíveis", disse Martins.

Ela também destacou que as operadoras cumprem as políticas e compromissos previstos nos editais dos leilões de frequências e uma política pública é necessária para a conectividade da Região Norte.

O uso do Fust também foi outro consenso entre os debatedores. Este ano, os recursos do Fundo foram contingenciados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.