Anatel precisa harmonizar obrigações do 5G com compromissos e metas já estabelecidas

Foto: Pixabay

Além da finalização das contas do edital de 5G para enviar para o Tribunal de Contas da União, a Anatel terá, nos próximos dias, que conciliar as metas existentes no edital com as metas exigidas em outros instrumentos de políticas públicas. Esse "encontro de metas" é fundamental para evitar sobreposição de esforços, duplicação de infraestrutura e, portanto, desperdício de recursos. O caso mais complexo é a meta de cobertura de rede de transporte em fibra ótica.

Isso porque o edital prevê, para os vencedores da faixa de 3,5 GHz, o atendimento de "Compromissos de Construção de Redes de Transmissão (backbone ou Backhaul)" até o ano de 2025 para municípios com mais de 20 mil habitantes e 2026 para municípios com menos de 20 mil habitantes. Esta meta tinha um custo estimado, segundo dados pelo presidente da Anatel, Leonardo Euler de Morais, em R$ 2,5 bilhões para o atendimento de 1.280 municípios.

Acontece que a mesma meta aparece no Plano Geral de Metas de Universalização V (PGMU V), editada no início deste ano e que se aplica aos concessionários de telefonia fixa (Oi, Vivo, Algar e Sercomtel). As concessionárias terão a obrigação de atender com rede de fibra óptica de 10 Gbps 100% das "sedes de municípios, vilas, áreas urbanas isoladas e aglomerados rurais, indicados pela Anatel".

Notícias relacionadas

A conciliação poderá se dar inclusive pela granularidade, já que o PGMU fala em "vilas, áreas urbanas isoladas e aglomerados rurais" enquanto que o edital de 5G fala apenas em sedes municipais. Mas ainda há a questão do benefício cruzado, já que uma concessionária de STFC que ganhe o leilão de 5G terá que fazer duas vezes a mesma coisa, pelo menos em parte da rede. Em ambos os casos (meta de 5G e meta do PGMU), as redes são compartilháveis. Outro desafio é que a Anatel não tem informações absolutamente precisa de onde há e onde não há fibra óptica. Nos últimos meses a agência tem buscado levantar, inclusive com o auxílio de associações como a Abrint, dados mais precisos sobre esse tipo de infraestrutura, já que Prestadores de Pequeno Porte não são obrigados a reportar para a agência a sua cobertura.

Estradas e localidades com 4G

Mas não é apenas a meta de backhaul do edital de 5G que se sobrepõe. Também as metas de atendimentos a localidades que hoje não têm cobertura de 4G, impostas aos futuros vencedores das faixas de 700 MHz e 2,3 GHz a serem licitadas, foram colocadas em parte como contrapartidas nos Termos de Ajustamento de Conduta que a Anatel celebrou em 2020. TIM e Algar, que celebraram TACs no ano passado, por exemplo, receberam obrigações desse tipo. No caso da TIM, o compromisso celebrado com a agência foi levar 4G para 449 municípios ainda não atendidos por essa tecnologia; conectar 238 municípios com fibra ótica; e levar 4G, com 700 MHz, a 1.388 municípios até 2022. Já a Algar celebrou acordo para levar tecnologia 4G a duas sedes de municípios e nove localidades não sede, além de fornecer cobertura em 22 trechos às margens de rodovias. No caso das metas de atendimento a estradas, elas estão previstas para o vencedor da faixa de 700 MHz.

Já a meta de construção do Programa Amazônia Integrada e Sustentável (PAIS) está contida entre os programas adicionais que serão contemplados com recursos da EAD, a Entidade Administradora da Digitalização, que cuidou das obrigações do edital de 700 MHz realizado em 2013. No final do ano passado a agência reservou R$ 165 milhões dos saldos da EAD para atender às Infovias 2 e 3 do PAIS (a Infovia 1 conta com recursos de orçamento), mas segundo declarou o secretário executivo do Ministério das Comunicações Vitor Menezes, a EAD deverá atender apenas uma infovia com esse recurso, por conta da variação cambial e aumento de custos. Ou seja, o restante deve ficar com os vencedores da faixa de 3,5 GHz do edital de 5G.

Segundo fontes da Anatel, esta conciliação de metas e obrigações é uma das questões que estão sendo ajustadas nos próximos dias, razão pela qual ainda é cedo para dar um número fechado sobre o valor do edital. Em relação às metas de backhaul, este noticiário apurou que a agência deve priorizar, ou seja, jogar a maior parte das obrigações, para os concessionários de telefonia fixa, por meio do PGMU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.