OUTROS DESTAQUES
TECNOLOGIA
"A 4,5G vai muito além da 4G Plus", diz o CEO da Claro
quinta-feira, 31 de agosto de 2017 , 21h02

O CEO da Claro, Paulo César Teixeira, rebateu, nesta quinta-feira, 31, as críticas de outras operadoras sobre a tecnologia 4,5G, afirmando que não se confunde com 4G Plus, ofertada por outras empresas. O poder de agregar múltiplas frequências da mesma tecnologia é apenas uma das três características da 4,5G presentes na rede da Claro.

De acordo com a operadora, em Brasília a rede da Claro agrega as faixas de 700 MHz (10 MHz), 1.800 MHz (5 MHz) e 2.600 MHz (20 MHz). No total, 35 MHz, que o smartphone consegue enxergar isso como se fosse único. Essa largura de banda permite a transmissão de mais informação em paralelo. "Isso é o que define o 4G Plus. O 4,5G vai além", afirma Teixeira.

A outra característica diz respeito às antenas. Na maioria das antenas instaladas no Brasil 3G e 4G, há duas entradas de recepção e duas saídas de transmissão. Algumas são mais antigas, com uma saída de transmissão e duas entradas de recepção. "As antenas que estamos instalando nas nossas radiobase nas frequências de 1.800 e 2.600, elas têm quatro entradas de recepção e quatro saídas de transmissão. Isso faz com que ela escute melhor o sinal que o terminal emite pra ela e com que ela transmita mais informações por diversos percursos para chegar naquele terminal", explica o diretor de tecnologia da Claro, André Sarcinelli. "Quando você combina esses múltiplos caminhos, você consegue ter o melhor caminho e o melhor código a ser usado na transmissão e na recepção", afirma.

O terceiro ponto relevante é com relação à modulação que o terminal transmite e recebe da radiobase. Existe modulação de alta hierarquia, que consegue no mesmo espectro trafegar mais informação. "Na Claro, estamos usando 256 QAM, que é a modulação de alta hierarquia, a maior modulação do mercado móvel", disse o diretor. "Conseguimos transmitir muito mais do que quem hoje usa a modulação de 16 QAM ou 56. Isso traz um ganho de 30% a 35% na velocidade. Então quando você soma mais espectro em paralelo, soma o dobro da velocidade com a tecnologia 4X4 das antenas e mais um ganho de 20 a 30% com a modulação, chegamos ao resultado que a gente vem conseguindo não só aqui em Brasília, mas nas outras regionais em que estamos implantando essa tecnologia", afirma.

Teixeira, no entanto, admite que ainda há barreiras com relação aos smartphones. De acordo com ele, a maioria dos terminais à venda não estão capacitados para a tecnologia 4,5G. "Essa tecnologia exige que tenha o chipset, que tenha uma série de características e além disso, tenha um hardware todo especial para que ele consiga capturar todas as vantagens", disse. Segundo o executivo, alguns aparelhos tem o hardware já pronto, mas falta o software que habilite a condição do 4,5 G. Nessa quinta-feira, a Claro homologou o Motorola Z Force como capaz de usar a tecnologia.

O CEO da Claro lembra que a tecnologia 4,5G ainda está em caráter experimental, mas que pode ser difundida rapidamente se houver terminais. "Nós fizemos a nossa parte. Temos a rede, fornecemos o sinal, que está capacitado para uma entrega superior de velocidade (até 300 Mbps) e agora estamos provocando os fabricantes a trazerem os aparelhos que podem capturar essas vantagens", disse.

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Jessé Gomes disse:

    Prezado teletime,

    na frase: "Conseguimos transmitir muito mais do que quem hoje usa a modulação de 16 QAM ou 56", o correto é 64-QAM e näo 56, pois os quatro tipos de modulações utilizada pelo LTE (4G) e pelo LTE-Advanced (4,5G) são: QPSK, 16-QAM, 64-QAM e 256-QAM.

    Aproveito a oportunidade, para sugerir uma pesquisa junto as operadoras visando verificar se as operadoras, que atuam no mercardo brasileiro, já estão utilizando a tecnologia Centralized Radio Access Network (C-RAN). Tal tecnologia apresenta como principal característica a centralização de diversas Base Band Unit (BBU), dispositivo responsável por gerenciar uma ou mais células, em um local chamado Central Office. Esta centralização produz ganhos de economia de energia, agilidade na manutenção de diversas BBU, a possibilidade de se praticar, sendo utilizada a BBU pool, a técnica load balance, etc.

    Atenciosamente,

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
EVENTOS
Não Eventos
Top