OUTROS DESTAQUES
ORÇAMENTO
Em novo corte no orçamento, Minicom perde mais R$ 76,1 milhões
quinta-feira, 31 de março de 2016 , 16h09

O governo publicou o detalhamento de como será distribuído, entre os ministérios, o corte extra de R$ 21,2 bilhões no Orçamento de 2016, anunciado na última semana pelo Ministério da Fazenda. O Ministério das Comunicações perdeu mais R$ 76,1 milhões de despesas discricionárias, para R$ 615,1 milhões em 2016.

Os recursos discricionários do Ministério da Cultura para este ano caíram para R$ 506,7 milhões, com a perda de mais R$ 184,5 milhões. E o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação ficou com menos R$ 1,04 bilhão, resumindo os gastos em R$ 3,2 bilhões para este ano.

O decreto de programação financeira divulgado em edição extraordinária do Diário Oficial da União, publicada na noite desta quarta-feira, 30.  Com o novo corte, o limite de empenho para despesas discricionárias (não obrigatórias, que podem ser cortadas) será de R$ 212,16 bilhões, ante R$ 235,23 bilhões em 2015.

É o segundo contingenciamento realizado pela União este ano. O primeiro, anunciado em fevereiro, foi de R$ 23,4 bilhões. Com o decreto de ontem, o ajuste fiscal totaliza R$ 44,6 bilhões.

Segundo o Ministério do Planejamento, a fim de que os efeitos de tamanha contração orçamentária não comprometam a oferta dos serviços públicos e os investimentos, o governo decidiu encaminhar ao Congresso Nacional solicitação de modificação na meta de superávit primário, para que este segundo esforço fiscal possa ser revertido. "O projeto encaminhado propõe a redução da atual meta fiscal da União em R$ 21,2 bilhões", destaca.

Com isso, sustenta o órgão, até que o Congresso Nacional decida sobre a modificação da meta de superávit primário, os órgãos ficam autorizados a empenhar, nas suas despesas discricionárias, os valores autorizados no novo decreto.

Corte anterior

Somando os dois cortes, o Ministério das Comunicações perdeu R$ 171,8 milhões; o da Cultura, R$ 206,6 milhões e o da Ciência, Tecnologia e Inovação, R$ 1,17 bilhão.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top