OUTROS DESTAQUES
Análise
Internet fixa cresceu 19,6% em três anos no Brasil
terça-feira, 30 de Janeiro de 2018 , 12h04

Em três anos, a banda larga fixa cresceu 19,6% no Brasil. Os dados são baseados nos relatórios mensais da Anatel e mostram o mercado muda a passos lentos no Serviço de Comunicação Multimídia. As tecnologias dominantes continuam sendo a xDSL e o Cable Modem, que em dezembro de 2014 possuíam respectivamente 13,226 milhões de acessos e 7,560 milhões de acessos. Já no final do ano passado, essas tecnologias contavam com, respectivamente, 13,099 milhões de conexões e 8,976 milhões.

Correndo por fora, a fibra triplicou o tamanho da base nesse período. A tecnologia fechou 2014 com pouco menos de um milhão de acessos, e chegou ao final de 2017 com mais de 3 milhões.

Vale ressaltar também a evolução do quadro de velocidades de 2014 a 2017. Durante todo o período, a faixa de 2 Mbps a 12 Mbps se mostrou a líder isolada. Já as velocidades de 12 Mbps a 34 Mbps (linha vermelha no gráfico abaixo) e as conexões acima de 34 Mbps mostram crescimento contínuo, ainda mais no caso das mais velozes. Nessa faixa, o crescimento foi de 447,9% nos três anos.

Recorte mensal e anual

Considerando somente o recorte de 2017, a fibra impulsionou o crescimento da banda larga no mês mais uma vez. Foram 186,3 mil adições líquidas (crescimento de 6,51%), total de 3,047 milhões de acessos no País. No ano, o avanço foi de 1,320 milhão de conexões, ou 76,52% em relação a dezembro do ano anterior.

O cabo adicionou 32,4 mil conexões em dezembro, um avanço de 0,36%. No ano, cresceu 400,2 mil (4,67%) acessos, totalizando 8,976 milhões de acessos.

Por outro lado, a tecnologia mais popular do Brasil, a xDSL, continuou a cair. Foram 55 mil conexões a menos em dezembro (0,42%), e nos 12 meses já acumula 283,1 mil desligamentos (2,12%). No total, contudo, é de longe a maior base: 13,099 milhões de acessos. Também caiu o acesso via spread spectrum (134,1 mil desconexões, ou 6,31%), totalizando 1,990 milhão de acessos. No ano, contudo, houve crescimento de 16,93%.

Velocidade

Novamente, os acessos mais rápidos (com velocidade acima de 34 Mbps) foram os de maior crescimento. No mês, registraram 4,60% de avanço, e no ano o acúmulo foi de 47,13% de crescimento. Essa faixa encerrou o ano passado com 4,286 milhões de acessos, o que representa 14,95% do total de SCM brasileiro.

Também cresceu a faixa de 2 Mbps a 12 Mbps, a mais popular atualmente no mercado: 1,46% no mês, e 4% no ano, totalizando 9,925 milhões de conexões, ou 34,62% de share. A segunda faixa mais popular, a de 12 Mbps a 34 Mbps (com 27,32% do mercado), totalizou 7,831 milhÕes de linhas, um avanço de 0,20% no mês e 20,57% no ano.

Já as conexões mais lentas mostraram quedas mensais e anuais. A faixa de 512 Kbps a 2 Mbps reduziu 0,90% e 11,09% respectivamente, totalizando 5,958 milhões de acessos (20,78% do mercado). As conexões de até 512 Kbps continuam a ser as que mais desaparecem: redução de 22,98% somente entre novembro e dezembro, e de 28,35% no ano. No total, são 668,3 mil acessos, apenas 2,33% do mercado.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top