OUTROS DESTAQUES
Limitação ao mercado corporativo será mantida
terça-feira, 29 de Janeiro de 2002 , 20h14 | POR REDAÇÃO

As regras da Anatel, caso a AT&T venha de fato a pedir licença para as três áreas do PGO, obrigariam a empresa a cobrir todas as capitais e cidades do País com mais de 1 milhão de habitantes, num prazo entre doze meses após a emissão do termo de autorização e o final de 2005. Ou seja, a empresa terá de dispor nestas localidades de linhas indiscriminadamente para qualquer interessado, seja pessoa física ou jurídica. A AT&T, como se sabe, no Brasil, quer atuar apenas no mercado corporativo. De acordo com Artur Ituassu existem formas de se manter esta política sem infringir as regras. Uma alternativa poderia ser uma formatação de preços que privilegiasse custos atraentes apenas em grandes volumes de tráfego, admite ele.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top