OUTROS DESTAQUES
Estratégia
Ericsson anuncia reestruturação e considera venda de divisões de mídia e hardware de cloud
terça-feira, 28 de Março de 2017 , 17h26

A Ericsson apresentou nesta terça-feira, 28, seu plano de reestruturação para tentar resgatar a lucratividade com base na estratégia de negócios e eficiência interna para gerar maiores margens e resultado operacional. Para tanto, passará a ter foco em menos serviços, realocando recursos e investimentos para áreas-chaves como redes, serviços digitais (OSS/BSS e core de telecom) e Internet das Coisas (IoT). Pretende ainda "acelerar investimentos" tanto em pesquisa e desenvolvimento quanto capacidades de serviço, além de nomear um novo time executivo. Mas a empresa também pretende vender ativos, explorando "oportunidades estratégicas" para os setores de mídia e de hardware de infraestrutura de cloud.

A nova estrutura organizacional da empresa será simplificada, combinando produtos e serviços em soluções. A nova estrutura terá três áreas: redes, serviços digitais e serviços gerenciados, alem de duas unidades separadas para a divisão de mídia. A divisão geográfica também mudará: em vez das 10 regiões atuais, serão cinco "áreas de mercado" (América do Norte; Europa e América Latina; Oriente Médio e África; Nordeste asiático; e sudeste asiático, Oceania e Índia), todas representadas no time executivo.

Mudanças e ativos

As mudanças incluem aumentar investimentos na área de redes para continuar implantação de 4G e se estabelecer como líder em 5G; otimizar solução de rede fim a fim; reestabelecer lucro na área de serviços digitais com mais investimentos; mudar a estratégia IoT do modelo de integração de sistemas para plataformas e soluções; e dar maior ênfase na automação nos serviços gerenciado. Ao mesmo tempo, vai "racionalizar o portfólio legado" para aumentar a eficiência.

Porém, as áreas de mídia e cloud estão agora sendo consideradas para desinvestimentos. De acordo com a Ericsson, a primeira área será dividida em duas unidades: Broadcast & Media Services e Media Solutions, e a promessa é de continuar a desenvolver soluções. Mas a companhia fala em "oportunidades estratégicas". Vale lembrar que em 2013, a fornecedora sueca comprou a divisão Mediaroom, dedicada a plataforma de TV por assinatura, da Microsoft. No Brasil, a Telefônica/Vivo utiliza a solução da Ericsson para sua oferta de IPTV.

Também está sendo considerada para "oportunidades estratégicas" a área de hardware de infraestrutura de cloud. Isso porque a companhia tem focado mais em soluções virtualizadas para core de rede e software de gerenciamento e monetização (OSS/BSS).

A companhia afirma que a desvalorização de ativos deverá ocorrer ainda no primeiro trimestre, com um impacto esperado no lucro operacional de 3 a 4 bilhões de coroas suecas (entre US$ 339,9 milhões e US$ 453,2 milhões). Os custos de reestruturação deverão ficar entre 6 e 8 bilhões de coroas suecas (US$ 679,8 milhões e US$ 906,3 milhões), sendo pelo menos 2 bilhões de coroas suecas (US$ 226,6 milhões) somente nestes três primeiros meses do ano. De forma separada, a fornecedora espera provisionamentos de 7 a 9 bilhões de coroas suecas (US$ 793,1 milhões a US$ 1,019 bilhão) nesse período em decorrência de "recentes desenvolvimentos negativos relacionados a certos projetos de larga escala de cliente".

Novo time

O presidente e CEO continua a ser Börje Ekholm. Para a área da Europa e América Latina, o atual diretor da unidade de redes e produtos corporativos, Arun Bansal, passará a ser vice-presidente sênior. A divisão de redes ficará a cargo de Fredrik Jejdling, enquanto a de serviços gerenciados ficará com Peter Laurin. O atual diretor de estratégia e tecnologia Ulf Ewaldsson será vice-presidente sênior da área de serviços digitais.

Em comunicado, Ekholm afirmou que a empresa não tem entregado os retornos esperados, mas que a companhia ouviu os clientes e fez uma "análise profunda" do portfólio e do desempenho. O CEO diz que, com as mudanças previstas e considerando condições de mercado estáveis, enxerga melhorias "já em 2018", ao menos dobrando a margem operacional de 2016, excluindo os gastos de reestruturação, e entregando retorno do capital empregado para gerar valor para acionistas.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top