OUTROS DESTAQUES
TV por assinatura
Claro Brasil terá uma unidade de negócios para abrigar a Claro TV
segunda-feira, 27 de novembro de 2017 , 20h39

O grupo Claro Brasil (América Móvil) terá uma quarta unidade de negócios. A empresa está criando uma unidade específica para tocar a operação de TV por assinatura via satélite (DTH), a Claro TV, que até aqui estava vinculada à unidade de negócios residenciais fixos, juntamente com a Net e com os serviços de banda larga e telefonia fixa. A decisão de criar uma nova unidade, segundo apurou este noticiário, se deve à constatação de que, para crescer e se tornar uma unidade competitiva, precisava ter vida própria. O negócio de TV por assinatura via satélite é essencialmente diferente do mercado de cabo por estar baseado em uma complexa cadeia de logística, distribuidores e instaladores. Além disso, o produto tem limitações diferentes (por exemplo, a dificuldade de venda em bundles com a banda larga) e a realidade de mercado hoje impõe outras formas de venda, como a venda pré-paga.

Segundo apurou este noticiário, há um comitê formado para compor a equipe desta nova unidade de negócios. Quem comanda este comitê no momento, como consultor, é Ricardo Miranda, que foi presidente da Sky, mas ele não deve permanecer efetivo no comando da Claro TV. José Félix, presidente do grupo, e Daniel Barros, CEO da unidade de negócios residenciais fixo, também participam das decisões do comitê e da montagem da equipe. A ideia é que a Claro TV tenha autonomia em sua estratégia comercial, definição de produtos e relacionamento com a cadeia de vendas e instalação, mas seguirá partilhando as áreas financeira, estratégica e compras de programação entre outras, hoje centralizadas na Claro Brasil, a exemplo do que acontece com a Claro Móvel e Embratel.

A América Móvil criou, em 2008, o que hoje é a Claro TV, de maneira separada da Net e vinculada à Embratel (na época com o nome Via Embratel), justamente por ser uma plataforma baseada em satélites. Com a unificação da empresa, há três anos, ela foi remanejada para a estrutura de TV paga, liderada pela Net. A Claro TV tem cerca de 2,3 milhões de assinantes (dados de maio), mas chegou a ter quase 3,8 milhões em novembro de 2014. A queda de base da Claro TV é considerada uma das principais causas da retração do mercado de TV paga como um todo.

COMENTÁRIOS

6 Comentários

  1. Adalberto Moreira disse:

    Acho que o bonde da história já passou. Perderam 3 anos fazendo o círculo entrar no quadrado. Não deu certo. Mas agora o mercado é outro.

  2. Ane Garcia disse:

    Precisou fechar 70% dos parceiros de 15 anos de claro para perceber que a operação era completamente diferente. Tentamos por dois anos provar a deferenca entre as operações. Nossa empresa tinga uma saúde financeira de 13 anos. Entrou a Net no negócio e em 2 anos de fusão Net, não conseguimos nos manter no mercado, pois foram tantas exigências na operação que para nos enquadrarmos tivemos que investir muito e com isso não conseguimos seguir com nossa empresa. Fechamos em maio de 2017. Agora, tudo voltará a ser como antes?

  3. Rogério Pires disse:

    Fui assinante a vários anos do combo da Algar, (Fixo / VDSL e HDTV) e a um mês fechei um combo com a NET, sendo os mesmos produtos mas na tecnologia Cable Modem. Sinceramente… é infinitamente melhor e robusta a prestação dos serviços. Acredito que HDTV e mesmo o ADSL ainda são importantes, principalmente em cidades do interior ou regiões das grandes cidades sem muita infraestrutura. A estratégia da Claro é acertada se ela própria não rivalizar com a NET e entrar com força em regiões deficitárias. Mas em cidades que dispõem da tecnologia de Fibra ou Cabo, não tem comparação!

  4. Helton Almeida disse:

    O dth quando foi criado foi a menina dos olhos da companhia mas devido a carreria de sucesso que a are do hfc teve achou que as mesmas pessoas seriam competente em conduzir o negócio de Tv por satélite , infelizmente eles não tiveram esta habilidade e agora terão de suar muito para conseguir voltar a competir devido a degradação da rede do DTH por " briguinhas " de " gerentinhos " e o resultado foi este , triste mas antes tarde do que nunca , desejo sucesso ao dth e que possam se recuperar.

  5. DENIS MIRANDA RODRIGUES disse:

    Hoje é o meu ultimo dia na operaçao como parceiro senior credenciado na Claro Hdtv. Sao seis anos de operaçao para agora ser desligado por uma equipe da NET que atua a seis meses na região e nao conhece nada de dth.Me deixaram com um prejuizo de 100.000 e me tratam como seu eu fosse um bandido, nem se quer conseguiram evidenciar o motivo do meu desligamento.A partir de amanha o novo parceiro assume cheio de esperança, mal sabe ele como funcionam as coisas. Sinto pelos novos 24 desempregados na minha cidade. Vcs cometeram vários erros mais quem pagou o preço foram os parceiros e suas equipes.

  6. Alberto Gualber disse:

    Acompanhei de perto e "in loco" o processo de gestão unificada da América Móvil e posso afirmar que foram 3 anos pouco efetivos e, muitas vezes, auto-destrutivos. A tentativa se produzir um "padrão NET" fez haver um retrocesso nas vendas e o cliente ficou cada vez mais fora do espectro de decisões sobre os produtos ofertados. Desejo sucesso nessa mudança e que dessa vez ouçam todos atores que fazem parte desse contexto para extrair o melhor para todos.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top