OUTROS DESTAQUES
Política de telecomunicações
Oi quer fim da concessão de STFC e sugere suspender inclusive revisão dos contratos
terça-feira, 27 de outubro de 2015 , 16h48

Bayard Gontijo, presidente da Oi, disse que a reforma do modelo brasileiro de concessões de telefonia fixa é urgente e fundamental para a atração de investimentos no setor em geral, e na Oi especificamente. "Modelo está esgotado e precisa ser modernizado", disse ele durante a Futurecom 2015, que acontece esta semana em São Paulo. "A revisão da concessão é fundamental em qualquer cenário, seja seguindo seu caminho sozinha, seja de maneira consolidada. Já passou a hora de termos uma liberdade de competição maior", disse depois, em entrevista a jornalistas, ao ser questionado se a reforma do modelo estaria vinculada a uma eventual negociação.

"Faz muito pouco sentido uma companhia como a Oi ficar fazendo subsídio para outras operadoras, por exemplo na oferta de atacado. É isso o que acontece hoje. Defendemos uma revisão profunda e isso certamente falita qualquer decisão de investimento. Uma empresa para fazer investimento precisa de estabilidade jurídica, e estamos batalhando por isso qualquer que seja o cenário", disse Gontijo, apontando um outro aspecto da reforma do modelo que é a obrigatoriedade da Oi de fornecer redes EILD para os concorrentes.

Bayard Gontijo vai mais longe, e sugere que mesmo a revisão quinquenal do contrato de concessão, com um novo Plano Geral de Metas de Universalização (PGMU), que está sendo preparado pela Anatel e deverá acontecer até o final do ano, seja colocada em compasso de espera até que uma revisão mais ampla ocorra. "Acho que há uma boa oportunidade de tratar tudo de uma vez só", disse o executivo.

Bayard enumerou diversos fatores que indicam a necessidade de revisão desse modelo. Primeiro, disse o executivo, deve-se destacar que a universalização "já foi feita", e a maior prova disso é que penetração por domicílio aumentou apenas cinco pontos percentuais desde 1999, para 70% registrados hoje. Depois, diz ele, porque existe um rápido declínio das receitas fixas, já da ordem de 30% em valores nominais nos últimos 10 anos, sem contar a inflação no período.

Entre os aspectos que a Oi defende que sejam reformados estão as obrigações de telefonia pública (orelhões), que rendem apenas R$ 17 milhões em receitas e custam cerca de R$ 300 milhões por ano. Também defendeu a revisão da questão dos bens reversíveis, apontando a situação em que a empresa tem hoje cerca de 7 mil imóveis que não pode alienar, mesmo que a maior parte não tenha nenhum vínculo com a telefonia fixa. E, por fim, a Oi aponta a necessidade de reforma no modelo de multas, que oneram a concessão. "Já temos uma conversa com o governo há mais de um ano, temos um grupo de trabalho com a Telefônica e Algar e vamos contribuir com o governo. Basicamente o que queremos é transformar a concessão em autorização e deixar que o mercado se auto-regule".

Ele apontou uma competição assimétrica com as autorizadas de STFC, e não apenas com os serviços OTT, e lembrou que hoje, das 50 maiores economias, apenas três (Peru, Brasil e Turquia), ainda operam no regime de concessão.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top