OUTROS DESTAQUES
TV digital
Digitalização no Rio já distribuiu 700 mil kits e entra na reta final
quarta-feira, 27 de setembro de 2017 , 21h23

O presidente da Anatel, Juarez Quadros, esteve nesta quarta, 27, no Rio de Janeiro, para participar do esforço final de divulgação da campanha de distribuição dos kits de digitalização da TV aberta nos 18 municípios do Estado cujos sinais de TV analógica serão desligados no próximo dia 25 de outubro. O cluster do Rio de Janeiro é considerado um dos mais desafiadores dentro do esforço de digitalização conduzido pela Seja Digital, empresa controlada pelas empresas de telecomunicações e que tem como responsabilidade fazer a distribuição dos kits.
Segundo Juarez Quadros, o Rio é uma das cidades que exigiu mais atenção do Giredo pelo volume de kits a serem distribuídos e porque os percentuais de digitalização na primeira pesquisa (79%), feita com 60 dias do desligamento, mostravam-se um pouco abaixo das experiências em outras grandes cidades como Brasília e São Paulo. Ainda assim, a Seja Digital registrou já a distribuição de 700 mil kits e estão previstos mais 500 mil até o final do processo. "Ajuda o fato de que as emissoras estão todas digitalizadas", diz Quadros, afastando o risco de que aconteça no Rio o mesmo que se passou em Sobral e Juazeiro do Norte (Ceará), onde a falta de conteúdo (apenas a Globo tem sinais digitais) desestimulou a digitalização e fez com que o desligamento tivesse que ser postergado para 28 de fevereiro de 2018. Também há grande percepção de valor da TV digital junto à população atendida.  "Trata-se de uma população extremamente carente para quem a TV é essencial como fonts de diversão e informação, então levar o sinal digital é algo muito valorizado pelas comunidades", diz a secretária de assistência social do município de Mesquita, na baixada fluminense, Cristina Quaresma.
Segundo Antônio Carlos Martelletto, diretor geral da Seja Digital, o volume de kits distribuídos no Rio é superior ao de outras cidades no mesmo período. "Estamos distribuindo 100 mil kits há quatro semanas e podemos expandir esse ritmo para 150 mil se for necessário nessa reta final", disse. São 60 pontos de retirada em todas as cidades, boa parte deles montado pela própria Seja Digital, já que não foi possível trabalhar com os Correios da mesma forma como acontece em outras cidades (como Vitória), por dificuldades específicas da estrutura da Estatal no Rio. Outra dificuldade do processo de digitalização no Rio foi a violência urbana, já que o foco das ações é em comunidades carentes, muitas delas controladas pelo narcotráfico ou milícias. Para contornar esse problema a Seja Digital tem adotado a postura de se aproximar sempre por meio dos canais de atuação oficial das prefeituras nestas comunidades (os chamados centros de assistência social, ou CRAS), assim como instituições religiosas e líderes comunitários. Ainda assim, é preciso replanejar as ações em função de episódios de maior violência.
Segundo Juarez Quadros, ao final de 2018, com o desligamento do sinal analógico em 1,3 mil cidades, cerca de 68% só terá acesso à TV digital. Nesta quarta, 28, o sinal da TV analógica será desligado em Salvador e Fortaleza, juntando-se a Brasília, São Paulo, Goiânia e Recife como grandes regiões metropolitanas já digitalizadas.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top