OUTROS DESTAQUES
TCU
TCU questiona Anatel sobre processo de fusão BrT/Oi
terça-feira, 27 de Março de 2018 , 17h18 | POR REDAÇÃO

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou à Anatel que se pronuncie de maneira conclusiva, "em um prazo improrrogável de 60 dias", sobre o cumprimento da condicionante 13.2, imposta pela própria agência para a aprovação da compra da Brasil Telecom pela então Oi/Telemar. O item em questão refere-se a encerramento de litígios administrativos de descumprimento de obrigações relativas à universalização e qualidade dos serviços. A decisão do Tribunal ocorreu na sessão plenária do dia 14 de março.

O Grupo Oi assumiu a Brasil Telecom em 2009. Em dezembro do ano anterior, ao julgar a transferência do controle acionário, o Conselho Diretor da Anatel concedeu anuência prévia e estipulou uma série de condicionantes para a conclusão da operação. Para cada uma delas, foram estabelecidas as devidas responsabilidades, no âmbito da agência, e instaurados processos de acompanhamento específico. Caso fosse atestado o descumprimento de alguma, a Anatel deveria instaurar Processo de Apuração de Descumprimento de Obrigação (Pado). Se, no limite, fosse verificado que a maioria das obrigações não estava cumprida, a agência poderia até revogar a anuência prévia e desfazer a operação. O prazo para o cumprimento da condicionante era 22 de dezembro de 2009.

Na data limite, a Oi fez uma oferta para pagar de imediato R$ 51 milhões de multas em tramitação e propôs o acerto de mais R$ 50 milhões por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). A proposta foi objeto de várias discussões na Anatel. Em 2013, a agência recusou a oferta de pagamento imediato dos R$ 51 milhões, mas concordou com a assinatura de um TAC mais amplo.

Na época, a decisão da Anatel para conceder a anuência prévia não foi unânime e a agência colocou 15 contrapartidas para a fusão ser consolidada. Entre as medidas, estavam as resolução dos processos administrativos pelo prazo máximo de 12 meses. O TCU chegou a mandar a autarquia suspender a anuência prévia, por meio de uma medida cautelar. Naquele momento, o Tribunal via que a operação gerava possibilidade de lesão ao interesse público. A agência entrou com recurso (Agravo Cautelar) e o TCU acabou suspendendo a decisão, mas ficou estabelecido que os ministros iriam acompanhar o andamento do processo.

Na sessão do dia 14 de março, o relator do processo no Tribunal, ministro Aroldo Cedraz, ressaltou que a Anatel foi "reativa" e "efetivamente" trouxe prejuízos à tempestividade do cumprimento da condicionante. "A operadora deixou de pagar de maneira imediata parte das multas devidas, que continuaram tramitando na agência, com custos regulatórios para a Anatel e possíveis judicializações dos processos, prejudicando o propósito motivador do condicionante, ademais de a decisão e a morosidade da agência terem permitido o surgimento de novos processos administrativos sancionatórios, culminando na abertura de um amplo processo de negociação (TAC), que retardou ainda mais a solução dos litígios previstos pelo condicionante", afirmou o ministro relator em seu voto.

De acordo com Cedraz, as condições do TAC estão sujeitas a um acompanhamento "complexo e demorado", portanto, sem garantia de solução em tempo hábil. "A meu ver, restaram límpidas as falhas na atuação do órgão regulador, que intenta procrastinar a questão, em vez de dar solução e cobrar cumprimento ao condicionante 13.2 pela operadora, optando por instrumento diverso, o TAC", destacou o membro do TCU.

Leia a íntegra da decisão: Acórdão 512/2018 – Plenário

 

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top