OUTROS DESTAQUES
Balanço financeiro
Queda nas vendas de ultra banda larga impacta Nokia no trimestre
quinta-feira, 26 de outubro de 2017 , 18h33

A Nokia sofreu impacto nas vendas para infraestrutura de redes de alta capacidade entre julho e setembro deste ano, segundo informou a companhia em balanço financeiro nesta quinta-feira, 26. As vendas líquidas da fornecedora totalizaram 5,537 bilhões de euros no terceiro trimestre, uma queda de 7% em relação ao mesmo período de 2016. No acumulado de janeiro a setembro, a companhia registrou 16,555 bilhões de euros, uma redução de 4%. Com isso, a companhia afirmou que espera que 2017 seja "levemente mais desafiador do que antecipado anteriormente".

As vendas na área de redes caíram 9% e somaram 4,823 bilhões de euros no trimestre, enquanto nos nove meses a queda foi de 7%, total de 14,696 bilhões de euros. Dentro desse universo, os negócios para ultra banda larga totalizaram 2,099 bilhões de euros entre julho e setembro (queda de 17%) e 6,500 bilhões de euros (redução de 9%) no acumulado. A Nokia justifica os números nas vendas com impacto de "desafios relacionados a condições de mercado e certos projetos em redes móveis, primariamente na América do Norte e Grande China".

O lucro operacional da companhia cresceu 20% e fechou o trimestre em 668 milhões de euros. Considerando os nove meses do ano, foi de 1,583 bilhão de euros, avanço de 28%. Vale ressaltar novamente o desempenho da área de ultra banda larga, que caiu 72% no trimestre (total de 78 milhões de euros) e 13% no acumulado (514 milhões de euros).

Nos números reportados, a Nokia obteve prejuízo de 192 milhões de euros no trimestre, um aumento de 43%. No acumulado do ano, o avanço no prejuízo foi de 23%, total de 1,088 bilhão de euros. Nos números orgânicos, que desconsideram custos relacionados à aquisição da Alcatel-Lucent e à sua integração, bem como taxas de ágio de deterioração, amortização de ativos intangíveis e outros itens, o resultado foi diferente: lucro atribuível para detentores de capital de 514 milhões de euros, praticamente o dobro (99%) do ano passado no comparativo trimestral. Considerando o acumulado do ano, o aumento foi de 92%, com total de 1,160 bilhão de euros. 

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top