OUTROS DESTAQUES
Memória
Morre Cláudio Dascal, um dos idealizadores da TELETIME
quarta-feira, 26 de julho de 2017 , 22h35

Morreu nesta quarta, 26, aos 73 anos, o engenheiro Cláudio Dascal. Dascal foi executivo na Telefunken, Tadiran, Elebra, Alcatel, Grupo Abril, Amdocs e CelPlan, atuando em posições de destaque na Espanha, em Israel e no Brasil. Dascal deixa esposa, três filhos e cinco netos. O enterro acontece nesta quinta, 27, às 11 horas, no Cemitério Israelita do Butantã, em São Paulo.

Cláudio Dascal é também parte indissociável da história do setor de telecomunicações e desta TELETIME. Ele foi um dos responsáveis pela idealização e concepção da publicação, da qual foi consultor editorial e articulista fixo desde a primeira edição, em abril de 1998 a novembro de 2013, quando a edição impressa deixou de circular. Com sua visão tecnológica e empresarial, teve a disposição de ensinar muitos dos jornalistas que passaram pela nossa redação a pensar as pautas setoriais e o mundo das comunicações com um olhar mais próximo do dia-a-dia do mercado, sem nunca perder o sentido estratégico e a relevância econômica das telecomunicações para o País.

Alguns dos melhores artigos de Dascal foram compilados em um livro editado em homenagem aos seus 70 anos, em 2013, com o nome de sua coluna fixa na TELETIME, "Ponto & Contraponto". A íntegra do livro está disponível para download aqui. É um registro importante de mais de 15 anos de observação e análise sobre a história recente das telecomunicações. Um dos artigos, escrito quando a Lei Geral de Telecomunicações estava para completar 10 anos, em 2007, está transcrito ao final deste texto. A reflexão é emblemática do tipo de análise que Dascal gostava de trazer em seus artigos, e é ainda hoje atual, por trazer muitos dos desafios e questões que hoje são vividas pelo setor.

Para a equipe de TELETIME, é a perda de um amigo e alguém que ajudou a conceber uma visão editorial inovadora, antenada com o um novo tempo nas telecomunicações, visionária em relação a muitas das mudanças pelas quais o mercado passou e ainda passa. Ficam para nós as boas lembranças e o aprendizado.

****************

Nostalgia com um olho no futuro…

Por Cláudio Dascal (originalmente publicada em maio de 2007)

Estou numa ilha, ao largo do litoral do Rio de Janeiro. O uso disseminado de celulares e a disponibilidade de Lan Houses é algo que salta à vista. É fantástico como pequenos negócios se viabilizam, e o caso mais notável é o radio táxi boat usando o número de seu celular como meio de chamada. As Lan Houses permitem que eu escreva esta coluna no meu notebook e a envie pela internet usando seus serviços. Esta constatação não é uma novidade. Mas para quem viveu toda a evolução das telecomunicações e informática nos últimos 30 anos e em particular nos últimos dez anos é sempre uma razão para se maravilhar, e nunca é demais registrar este avanço.

A nostalgia me leva a lembrar e compartilhar experiências de 20 a 30 anos atrás, que se caracterizavam por uma extrema dificuldade de comunicação. Na primeira destas experiências, há cerca de 30 anos, recordo-me de que quando tive a oportunidade de desenvolver negócios na Nigéria, a precariedade das telecomunicações tinha um quê de heróico e me levava a trabalhar com telex, tendo que preparar e transmitir fitas telex, no meio da madrugada, em uma cabine pública em Lagos, capital da Nigéria na época. Esperava pela resposta no dia seguinte, se tivesse sorte. Além disto, o instrumento para a edição de documentos e textos contratuais era uma máquina de escrever portátil, Lettera 22, sem recursos de edição de texto.

Outra experiência memorável, também há quase 30 anos, foi comunicar-me, algumas vezes, durante as férias, com o escritório e diretores da Telesp de então, sobre questões de projetos em andamento. Para isto, usava telefones a manivela (de magneto), mesmo estando no eixo Rio – São Paulo, sendo que a operadora usada era de Resende. Estas histórias pessoais servem para ilustrar para aqueles que usam hoje os recursos do celular e da internet de forma tão natural, o tremendo salto que foi dado em um prazo tão curto, fruto da tecnologia e de altos investimentos em infra-estrutura de telecomunicações.

As datas sempre ensejam um pouco de nostalgia do passado, pelas dificuldades vencidas e batalhas ganhas, o que tem o valor de nos dar uma boa noção de perspectiva histórica em relação ao passado e uma esperança sobre o futuro. Nos últimos 15 anos, tivemos avanços notáveis que começaram com as discussões sobre a privatização e seus modelos e que culminaram com a Lei Geral de Telecomunicações que permitiu a privatização do Sistema Telebrás e abertura para empresas privadas explorarem segmentos e faixas de freqüências ainda não usadas.

Dez anos de privatização, 40 milhões de terminais fixos, 100 milhões de celulares e a banda larga crescendo agora mais rapidamente, com perspectivas animadoras graças às novas tecnologias disponíveis. Ao mesmo tempo, sabemos que se tivessem sido feitos maiores investimentos e se pudéssemos usar o Fust, estaríamos num caminho irreversível e seguro de inclusão digital e desenvolvimento sustentável. Além disto, teríamos aproveitado a tempo o divisor digital, em lugar de estarmos discutindo a quem cabe a bandeira e a responsabilidade sobre a inclusão digital, sem que nenhuma das instâncias governamentais tome a liderança de um programa viável.

Chegamos ao estágio atual porque alguém teve uma visão e incentivou o debate de como avançar a passos rápidos, o que de fato se conseguiu. Neste momento, o desafio é criar condições para a convergência de redes e serviços, faltando uma visão e o estímulo ao debate para que consigamos criar os instrumentos para os próximos 15 anos. As leis e os regulamentos vigentes e o fato de que a jurisdição sobre pedaços do que sejam os segmentos que compõem os serviços convergentes não estão unificados, como no caso de telecomunicação e mídia. Isto leva a um atraso nas definições que permitam acompanhar o desenvolvimento desta integração, perdendo o Brasil o passo do que é o debate mais importante na maior parte do mundo.

Esse atraso nos vai mais uma vez colocar como caudatários deste processo, com impactos negativos no desenvolvimento de tecnologia e no aproveitamento da capacidade industrial instalada no País, inclusive colocando em risco o equilíbrio da balança comercial do setor e a manutenção de empregos no setor industrial, podendo comprometer até a Zona Franca de Manaus.

TELETIME é parte dessa história. Foi criada há dez anos como uma janela para o mundo. Procurava na época aproximar o leitor do que acontecia fora do Brasil, que até a privatização era extremamente fechado, mesmo provinciano, com uma grande defasagem entre as tecnologias e serviços disponíveis no mundo e a sua apresentação para os clientes brasileiros. Mantém a característica informativa e é uma janela para que tentemos achar esta visão que precisamos para desenhar os próximos dez a 15 anos.

COMENTÁRIOS

20 Comentários

  1. Antinio Nascimento disse:

    Obrigado por recuperar um texto que sem dúvida traduz a essência do que foi Claudio Dascal para as telecomunicações mo Brasil.
    Sentiremos muita falta.

  2. Antinio Nascimento disse:

    Obrigado por recuperar um texto que sem dúvida traduz a essência do que foi Claudio Dascal para as telecomunicações mo Brasil.
    Sentiremos muita falta.

  3. João Moura disse:

    A toda a Equipe Teletime

    Recebam os nossos cumprimentos solidários pela perda do Claudio.

    João Moura

  4. João Moura disse:

    A toda a Equipe Teletime

    Recebam os nossos cumprimentos solidários pela perda do Claudio.

    João Moura
    TelComp

  5. José Luiz N Frauendorf disse:

    Tive o privilégio de conviver com o Dascal na Telefunken, Elebra e Editora Abril. Deixa um enorme vazio no nosso segmento. Devemos muito a ele.

  6. Uma grande perda para todos nos. Meus sentimentos à família e aos colegas profissionais da Teletime.

  7. José Roberto Castilho Piqueira disse:

    Trabalhei com o Cláudio Dascal na Elebra, por alguns anos. Líder nato, com perspicácia admirável.
    Sua generosidade era notável e seu pioneirismo nas telecomunicações não pode ser esquecido.
    Juntos "limamos" modems para o Transdata e falamos de futebol. Era um Corintiano de boa cepa e sabia respeitar os subordinados.
    A ele devo muito, pois foi um grande incentivador ao longo de minha carreira.

  8. Claudio Parca disse:

    Tinha uma visão do mercado de Telecomunicações ímpar e com uma visão de futuro clara e precisa.
    Nós seus colegas e amigos sentiremos muita falta.

  9. Roberto Smith disse:

    Foi com pesar e tristeza que recebi a notícia da morte de Cláudio Dascal, companheiro e colega de juventude e que há muito tempo não nos encontrávamos. Meus sentimentos à família.
    Roberto Smith- Fortaleza-Ceará.

  10. Renato Silva e Silva disse:

    Uma grande perda e um nome admirado pela sua proatividade em defesa do setor. Tive o prazer de tê-lo como superior hierarquico na Alcatel. Um grande estrategista, nesmo que enigmatico em muitas decisões.
    Que Deus o tenha e proteja sua familia.

  11. Luiz Terra disse:

    Hoje o mundo de Telecom no Brasil perdeu uma grande pessoa que fez parte dessa história!! Lindo texto!!!

  12. Paulo octavio almeida (p.o) disse:

    Grande perda Dascal era um visionario!

  13. Roger Friedmann disse:

    Triste notícia, perda de um grande amigo da juventude do tempo na EPUSP.

  14. Roger Friedmann disse:

    Notícia triste a perda de um bom amigo, ficam as ótimas lembranças de nosso tempo na Poli e depois.

  15. René Lapyda disse:

    Perda inestimável! Incrível capacidade de trabalho, energia e desprendimento. Amigo de tantas horas e lugares, há mais de meio século. Descanse.

  16. Tom Luiz disse:

    Eu tive o privilégio de trabalhar com o Dascal na CelPlan por mais de 10 anos. Tive o privilégio de aprender muito.
    Deixo aqui o sentimento de gratidão por ele ter acreditado em mim e ter me dado oportunodades de crescer emquanto profissional.
    Tom

  17. Maria Firmino disse:

    Parte um personagem importante dentro deste mercado tao grande e tao pequeno ao mesmo tempo. Ele contribuiu muito para as telecomunicações no Brasil, deixa um legado importante suas ideias, seu espirito empreendedor e focado com o crescimento, alem dos profissionais que ele ajudou a formar. Meus sentimentos a familia.

  18. Aluízio E. Martins. disse:

    Cládio Dascal, muito sagaz, hábil e muito admirado pela sua vocação nos negócios de telecomunicações,nas empresas onde trabalhou.

  19. Um Gigante com quem pudemos aprender e sonhar.
    Um visionário.
    Fará muita falta.

  20. Sentiremos falta desse Gigante visionário

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top