OUTROS DESTAQUES
Análise
Pós-pago supera os 100 milhões de acessos em janeiro
terça-feira, 26 de março de 2019 , 16h11

A base brasileira do serviço móvel ficou praticamente estável em janeiro deste ano comparado a dezembro de 2018, segundo dados da Anatel. Foram 64,3 mil acessos a menos, uma diferença de 0,03%, totalizando 229,146 milhões de linhas no primeiro mês de 2019. Além disso, o mix do mercado móvel continuou a melhorar, superando pela primeira vez a marca de 100 milhões de contratos pós (a agência também contabiliza as linhas de planos controles).

Houve uma redução no ritmo de crescimento do pós-pago, que avançou 0,79% em janeiro (791,5 mil adições líquidas), contra 1,23% (1,211 milhão de linhas) no mês anterior. Mas isso foi o suficiente para essa base encerrar o mês com 100,452 milhões de linhas em janeiro, representando agora 43,84% do mercado de SMP no País. Os pré-pagos, por sua vez, caíram significativamente menos em dezembro (0,66%, ou 855,8 mil desconexões) do que em dezembro (2,87%, ou 3,828 milhões de desligamentos). Essa modalidade agora soma 128,693 milhões de linhas, ou 56,16% do total. 

Considerando os grupos, as quatro grandes operadoras apresentaram aumento no pós e queda no pré. Quem mais reduziu a base pré-paga em janeiro foi a TIM, com 348,6 mil desconexões. Ainda assim, o mix da operadora ainda tem 63,4% (contra 63,8% em dezembro) de acessos desse modelo.

O maior crescimento líquido em pós-pago foi da Claro: 293,9 mil adições no mês, total de 23,800 milhões de acessos, o que representa 42,2% da própria base. Vale ressaltar que, somado à base de pós da Nextel (3,301 milhões de linhas), a operadora do grupo América Móvil totalizaria em janeiro 27,101 milhões de conexões, aumentando seu mix para 45,3%. 

Tecnologias

A tecnologia 3G teve a tendência mensal de queda desacelerada. Foram 1,752 milhões de linhas a menos (queda de 3,35%) em janeiro, total de 50,618 milhões de acessos. No mês anterior, a queda havia sido de 4,230 milhões de chips (7,47% de recuo). A operadora que mais registrou diminuição em WCDMA foi a Claro (a maior base na tecnologia de terceira geração), com 549,3 mil acessos a menos, total de 17,206 milhões. 

Na prática, apenas as tecnologias 4G e máquina-a-máquina (M2M) apresentaram crescimento (ainda que menor do que o de dezembro), o que tem sido o comportamento comum do mercado de SMP no Brasil. Em LTE, todas as operadoras avançaram em janeiro, e juntas somaram 131,963 milhões de conexões. A empresa com maior crescimento líquido foi a Oi, com 600,4 mil adições no mês, um avanço de 2,81%, total de 21,936 milhões de acessos. Proporcionalmente, as pequenas operadoras avançaram 225,74%, mas somam ainda apenas 4,6 mil linhas. A líder em tecnologia LTE continua sendo a Vivo (com 31,13% do mercado), total de 41,084 milhões de acessos, avanço de 1,22%. A TIM vem em seguida, com 26,47% de market share, total de 34,926 milhões de acessos. 

A Claro em janeiro tem 30,513 milhões de acessos, ou 23,12% de participação, após aumento de 1,65% no mês. Combinada com a Nextel, contudo, a operadora encostaria na TIM. Seriam 33,737 milhões de linhas para o Grupo América Móvil, ou 25,57% de market share. 

Os acessos M2M da categoria padrão cresceram 3,17%, totalizando 11,704 milhões de acessos. Já os da categoria M2M especial somaram 8,530 milhões de linhas, avanço de 1,01%. Por sua vez, o GSM caiu 3,46% no mês, total de 23,988 milhões de acessos. 

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
EVENTOS
Não Eventos
Top