OUTROS DESTAQUES
FOA 2018 - Mercado
Novas oportunidades em telecom podem não estar nas mãos de grandes operadoras
segunda-feira, 26 de Março de 2018 , 10h52

Com a transformação digital e novas tecnologias como 5G e Internet das Coisas surgirão novas oportunidades para o mercado de telecomunicações aproveitar para adicionar valor à camada de infraestrutura, mas os players principais nestes segmentos não necessariamente serão as grandes operadoras. Para tanto, será preciso não ser imóvel e arriscar para sair das regiões de alta renda no País. Essa é a visão compartilhada pelo superintendente de competição da Anatel, Abraão Balbino, em painel de abertura do Fórum de Operadoras Alternativas nesta segunda-feira, 26, em São Paulo. O evento foi realizado pela TELETIME e pela Mobile Time.

"A gente tem que sair da caixinha e pensar que telecom não pode ser dumb pipe, do ponto de vista tecnológico a rede vai deixar de ser. A questão é quem vai se apropriar disso. Não acho que operadoras grandes e OTTs vão se apropriar, porque tem universo surgindo com demandas novas e com demandas de empacotamento", afirma. Ele cita o caso da IoT, que ainda não teve uma "killer application", nem também um empacotamento adequado.

Balbino enumera vertentes para o mercado se reinventar: consolidação horizontal ou vertical, ou mudança de modelos de negócio. Isso tendo em contexto que o que deverá conduzir todo o avanço na próxima década serão os serviços de TI e big data, IoT, conteúdo e serviços financeiros. No caso desta última vertente, especialmente, o superintendente da Anatel é enfático na oportunidade, uma vez que o Brasil já tem capilaridade de rede e ecossistema móvel, demanda com 40 milhões de desbancarizados, e regulação favorável. "Não tem gargalos regulatórios ou zonas cinzentas, resolvemos isso com o Banco Central há mais de cinco anos", declara.

Segundo ele, o mercado ainda não aproveitou a mobile wallet por uma mistura de "risco mais preguiça". "É universo que não está no mainstream brasileiro, em São Paulo está todo mundo bancarizado, tem que ir para o lugar que é o 'Kenya no Brasil'", diz, referindo-se às regiões mais pobres. "E nenhuma operadora entra com essa cabeça, talvez vocês (operadoras alternativas) queiram entrar." Balbino, que também é relator em grupo de trabalho na União Internacional de Telecomunicações (UIT), declarou que vai aprovar uma nova recomendação em três semanas para países que queiram regular esse mercado.

Flexibilidade

É necessário, entende Balbino, que haja um ambiente regulatório que permita a inovação. Na visão dele, a regulação precisa ser "mais principiológica, menos normativa e mais focada em ex post – caso surjam problemas que demandam, melhor tratar depois". Isso porque parte dos serviços financeiros teria regulação mais leve, apenas estabelecendo princípios de interoperabilidade e regras de compliance com o Banco Central. Ele ressalta que as regras não são impeditivos, mas há a questão do risco. "O que não teve ainda foi um agente com audácia de ser um first mover." Balbino lembra que a Oi teria se planejado para isso, mas acabou tendo problemas com a própria situação financeira. "Ela ainda tem visão de que isso pode ser uma boa oportunidade", declara.

Ainda há barreiras, entretanto. Abraão Balbino afirma que, para permitir a evolução das novas tecnologias do mercado, é preciso não tratar a legislação com um "ponto de vista ideológico muito a ferro e fogo", especificamente falando sobre o Marco Civil e a defesa da neutralidade de rede. "Imagino que a sociedade não vai [se prender a isso], progressivamente vai deixar de ser um problema porque se torna uma visão muito ideológica, talvez ativista, mas progressivamente essas pessoas vão cair", declara.

Ele entende que a abordagem passa por ser menos normativo, fazendo regulamentos mais principiológicos tratando caso a caso. "Você tende a errar menos."

Outra dificuldade são as questões tributárias. Balbino interpreta que problemas com a questão de provedores serem de telecomunicações ou de serviço de valor adicionado é mais baseado no impacto do ICMS, cobrado em telecom. "É problema regulatório quando olha leis, questões municipais e estaduais, e isso é de fato um problema, uma das maiores barreiras do País", conclui.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top