OUTROS DESTAQUES
MWC 2016
O eSIM é o futuro obsoleto da tecnologia de chips
sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016 , 15h12 | POR BRUNO DO AMARAL, DE BARCELONA*

O futuro do SIMcard ainda não passará por um caminho totalmente virtualizado. A indústria está trabalhando em um novo modelo, o eSIM, que promete simplificar boa parte da operação de ativação do aparelho, permitindo inclusive a escolha da operadora com facilidade e rapidez. Mas, ainda assim, exige um chip, que passará a vir embutido e soldado no dispositivo. A justificativa para tanto é que o cartão físico é uma camada de segurança necessária, segundo o consórcio da indústria móvel que promove a padronização e que é liderado pela associação global GSMA e envolve, além das teles, fabricantes de SIMs e de soluções para os chips. "Nossa posição tem sido sempre que a parte física tem a segurança maior por ser um elemento físico", declarou a este noticiário a vice-presidente de programação para as Américas da GMSA, Ana Lattibeaudiere, durante a Mobile World Congress, em Barcelona.

A executiva justifica que o princípio do eSIM para o futuro se baseia na autenticação, que poderá ser baseada nas informações da pessoa em vez de ser um processo atrelado ao número do SIM.  "Esse é o primeiro passo, e a especificação da GSMA é nesse sentido, estamos trabalhando para ir da autenticação para autorização e no futuro poder ter ofertas muito mais complexas para o que querem os provedores de serviço", diz Ana Lattibeaudiere. Para funcionar, as operadoras terão de atualizar o banco de dados para usar o padrão defendido pela organização para permitir a interoperabilidade, o que poderá acabar demandando investimento. "Pode começar a ter custo se tiver muita adesão."

Para ela, ainda é cedo para definir se o novo padrão mudará o modelo de negócios de fornecedores como Gemalto e G&D, que continuarão fornecendo parte da solução, como o módulo (que virá instalado de fábrica nos aparelhos) e o gateway de autenticação. "Esse é um serviço um pouco novo, não sei se muda (o modelo), nesse momento é um pouco vácuo", declara. A ideia é que a autenticação possa ser aproveitada também para outros serviços, como para bancos, pois permitirá o compartilhamento de informações definidas pelo usuário (ao contrário do Facebook Login, que apenas pede para aceitar ou rejeitar um conjunto de permissões de acordo com o serviço).

Na visão do vice-presidente global de marketing e vendas da fornecedora Giesecke & Devrient, Carsten Ahrens, o uso de um "softSIM" (de software SIM) não está no horizonte. "Realmente acreditamos que ter um pedaço de hardware dedicado é uma boa coisa para a segurança", disse ele durante debate no primeiro dia da Mobile World Congress 2016, em Barcelona. "O SIM está por aí há 25 ou 30 anos, muitos testes têm sido feitos, e eu acho que se a gente realmente conectará bilhões de dispositivos, então a segurança é fundamental", justificou.

Intermediário

Mesmo precisando ainda do chip físico, a ideia é promover o eSIM como um dos elementos-chave para a conexão do próximo bilhão de dispositivos. Na visão da indústria, por permitir a ativação mais rápida, ele poderia ser uma opção mais simples para o consumidor e mais efetiva para a operadora. Na comparação feita pelo vice-presidente sênior de padronização e desenvolvimento de ecossistema da Orange, Philippe Lucas, o novo produto é como "digitalizar a distribuição do SIMcard", uma vez que o fabricante pode inserir o cartão "vazio" e o usuário o ativa remotamente. "Não é o softSIM, pessoal, desculpe, mas precisamos ter o elemento de segurança", brinca. Fonte consultada por este noticiário, no entanto, acredita que o eSIM permite também às operadoras um maior controle da base de usuários.

Na visão da CEO da operadora suecta Tele2, Allison Kirkby, alguns serviços já poderiam se valer de um SIMcard totalmente virtualizado. "O softSIM acho ótimo para IoT (Internet das Coisas), mas isso será um desafio para nós operadores", afirma. "Acho que virá, e acho que (as teles) têm que olhar, e não impedir que isso aconteça, porque para o consumidor vai melhorar", completa. "Eu concordo que vamos chegar lá, mas a questão é: como? Quem vai deter a credencial? O diabo está nos detalhes", contrabalança o CEO e presidente da AT&T Mobility, Glenn Lurie.

Certificação

Mas no caso do algoritmo de segurança e criptografia do eSIM for comprometido, há um dilema. Quando perguntado sobre isso, nenhum dos debatedores quis responder, alegando não ter conhecimento técnico. Mas a expectativa é que o hardware mantido permita servir como elemento de segurança de forma semelhante ao chip nos cartões de crédito. Os próprios módulos do eSIM são fabricados nas mesmas linhas de produção e com o mesmo cuidado que os cartões da bandeira Visa, segundo o diretor global de estratégia e inovação OS da unidade de dispositivos da Telefónica, Pedro Gil Morales.

O padrão ainda está sendo definido, e a expectativa é que isso ocorra até junho. Uma vez acertado esse detalhe, haverá um período de certificação da plataforma, que deverá ser concluído em dezembro, de acordo com Morales. Mesmo sem uma aprovação definitiva de interoperabilidade entre operadoras, já há modelos no mercado com o padrão, e a Samsung planeja lançar o primeiro dispositivo vestível com o eSIM já em abril (veja mais abaixo). "No ano passado (em dezembro), definiu-se pelo consórcio SIM Alliance um padrão de interoperabilidade, assim o perfil da Vivo ou da Claro, por exemplo, poderá ser entregue para todas as outras operadoras, que terão já implantado as plataformas com fairplay para todos", disse o executivo. Ainda assim, o roll out dependerá do interesse dos fabricantes e das operadoras e, por isso, Morales prefere não prever uma estimativa de adoção em acessos.

De qualquer forma, espera-se que a adoção aconteça, já que a aliança traz diversas operadoras envolvidas, como a própria Telefónica e a Vodafone, Claro e AT&T. "Não há nada na regulação que não consigamos cumprir com o eSIM, desde a identidade de um cliente, que tem canal definido do operador, ao contrato com a operadora", declara Morales.

Wearable

O eSIM já deverá ser implantado no relógio inteligente Gear S2 Classic, da Samsung. No caso desses dispositivos vestíveis, pelo menos, a ativação é feita com um voucher de papel com o QR code impresso. Por meio do aplicativo de gerenciamento do smartwatch em um smartphone (não necessariamente Android), o usuário escaneia o código, que baixa um pequeno arquivo com o identificador digital do SIM que é então enviado ao wearable. No relógio, escolhe-se as operadoras disponíveis, para finalmente ativa-la após um reinício no aparelho. Toda a operação dura cerca de 2 minutos.

O vice-presidente sênior de tecnologia IMS da Samsung, Yunsang Park, afirma que o eSIM não estará disponível apenas em wearables da companhia. "O smartphone é diferente, pois tem um ecossistema grande, mas sim, em breve vamos introduzir um dispositivo (com a tecnologia)", declarou. O executivo ressalta que, com o eSIM, o Gear S2 Classic será comercializado inicialmente em abril com a operadora Vodafone, na Alemanha, mas em breve terá também Orange, Telefónica e "todos os canais necessários". Além dos wearables, a utilização do novo SIMcard para a Internet das Coisas (IoT) também deverá ser um dos focos.

Um dos parceiros do desenvolvimento do eSIM é a Apple, que já tem feito estratégia semelhante nos Estados Unidos com um SIM "white label" no iPad.

* O jornalista viajou a convite da FS.

COMENTÁRIOS

5 Comentários

  1. Luiz disse:

    O título da matéria ("O eSIM é o futuro obsoleto da tecnologia de chips") foi muito mal escolhido. O eSIM não nascerá obsoleto. Só jornalistas que não entendem nada de tecnologia podem achar que hardware é obsoleto e que tudo pode ser resolvido por software, se esquecendo que são necessários circuitos eletrônicos integrados ("chips") para o software ser executado em aparelhos móveis. A "tecnologia de chips" é responsável por muito mais do que circuitos integrados para aparelhos móveis, bastando se lembrar dos microprocessadores, memórias, conversores, codificadores, moduladores, etc., etc.

    • Bruno do Amaral Bruno do Amaral disse:

      Luiz, essa era a opinião de vários membros da indústria durante o painel na MWC, o título apenas reflete a sensação que ficou no ar durante o evento. Não é necessariamente a minha opinião. E é claro que nem tudo pode ser resolvido por software, mas nem tudo precisa ser resolvido com hardware – talvez o eSIM seja um desses casos.

  2. Sidney disse:

    Título clickbait. Parece opinião, não é opinião, mas só diz que não é opinião quando questionado e ainda resume "vários membros da industria" sem citar nomes. Matéria fraca.

    • Bruno do Amaral Bruno do Amaral disse:

      Entrevistei durante quase uma semana durante a MWC 2016 fontes ligadas à indústria móvel. Nem todas são citadas, como foi especificado na matéria.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
EVENTOS
Não Eventos
Top