OUTROS DESTAQUES
PNAD
Acesso à internet em casa por celular cai para 60,3% em 2016
sexta-feira, 24 de novembro de 2017 , 14h53

Em 92,3% dos 69,2 milhões de domicílios brasileiros, pelo menos um morador possuía telefone móvel celular, enquanto que o telefone fixo convencional foi encontrado em apenas 34,5% em 2016. Um total de 63,6% dos domicílios acessava a internet, eram 57,8% em 2015. Em 60,3% dos domicílios o acesso era via telefone celular, percentual menor que o verificado em 2015, de 92,1%, segundo a PNAD contínua para habitação, divulgada nesta sexta-feira, 24, pelo IBGE.

O acesso por microcomputador em 2016 era de 40,1% ante 70,1% do ano anterior; a conexão por tablete, de 12,2% no ano passado era quase metade dos acessos em 2015, de 21,1%; a conexão pela TV subiu de 7,5¨para 7,7% entre 2015 e 2016; e por outro equipamento passou de 0,8% para 1% no período.

Em 2016, o Sudeste tinha o maior percentual de domicílios com acesso à Internet, 71,7%. A região Norte registrou o menor percentual de domicílios com acesso através de microcomputador (20,9%) contra 43,4% de domicílios que usavam esse equipamento em 2015 e o Nordeste, o menor percentual através de telefone celular (48%) ante 93,9% do ano anterior.

A pesquisa verificou também que em 2016 a televisão estava presente em 97,4% dos domicílios.

Em 2016, a população residente foi estimada em 205,5 milhões de pessoas e 42% dela estavam no Sudeste. Os homens eram 48,5% da população e as mulheres, 51,5%. Entre 2012 e 2016, a população idosa (com 60 anos ou mais de idade) cresceu 16,0%, chegando a 29,6 milhões de pessoas. Já a parcela de crianças com até 9 anos de idade na população caiu de 14,1% para 12,9% no período.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top