OUTROS DESTAQUES
Balanço financeiro
Claro Brasil apresenta queda nas receitas e ganho no EBITDA no terceiro trimestre
terça-feira, 24 de outubro de 2017 , 21h40

O balanço financeiro do grupo América Móvil divulgado nesta terça, 24, traz informações sobre o mercado brasileiro e sobre a holding Claro Brasil, que representa Claro, Net e Embratel. O resultado apresentado pela AMX é o consolidado da Claro Brasil com eliminações de transações intercompanhias e reclassificações.

Dessa forma, o consolidado da Claro Brasil mostrou uma receita de R$ 8,877 bilhões e R$ 26,632 bilhões, referentes ao terceiro trimestre e aos nos nove primeiros meses do ano, respectivamente, o que significou uma redução de 1,7% e 1,5% em relação ao ano anterior. A companhia afirma que houve influência na redução na receita de aparelhos e interconexão, que caíram respectivamente 39,2% (total de R$ 150,6 milhões) e  26,2% (R$ 166,4 milhões) no trimestre; e 46,1% (acumulado de R$ 446,1 milhões) e 30,5% (R$ 516,5 milhões) nos nove meses.

A receita de serviços, por sua vez, ficou estável no trimestre, com R$ 8,560 bilhões. No acumulado, ainda mostra aumento de 0,8%, total de R$ 25,669 bilhões.

Já o EBTIDA foi de R$ 2,661 bilhões no terceiro trimestre (avanço de 5,76%) e R$ 7,812 bilhões no acumulado do ano (crescimento de 4,35%). A margem EBTIDA subiu 2,1 pontos percentuais (p.p.) e ficou em 30% no trimestre, enquanto no acumulado de nove meses subiu 1,6 p.p. e ficou em 29,3%.

A Claro Telecom Participações também representa Claro, Embratel e Net, mas não outras empresas do grupo no País, especialmente a Embratel TVSat Telecomunicações (embora estejam sob mesma gestão, não estão abaixo da estrutura societária da companhia). No terceiro trimestre, a Claro Participações registrou R$ 7,931 bilhões na receita (queda de 3,19%), enquanto no acumulado de nove meses foram R$ 23,949 bilhões (redução de 2,07%). O EBITDA foi de R$ 2,382 bilhões (aumento de 0,46%) e R$ 7,224 bilhões (crescimento de 5,23%) no trimestre e nos nove meses, respectivamente.

Operacional

A Claro Móvel encerrou setembro com uma queda de 4,9% na base móvel, que agora totaliza 60,398 milhões de conexões. No entanto, houve aumento de 11,9% na base pós, que soma 19,338 milhões de linhas; enquanto no pré-pago houve redução de 11,2%, embora ainda totalize 41,060 milhões de acessos.

A companhia destacou no balanço o avanço de 11,9% na base pós-paga móvel, que, desconsiderando terminais de dados e comunicação máquina-a-máquina, aumentou 15,9%.  A empresa totaliza 57,1 milhões de acessos móveis, com cerca de 27,9% de market share.

Os minutos de uso (MOU) caíram 8% e agora totalizam 87. A receita média por usuário (ARPU) avançou 9,7% e agora é de R$ 15. E a taxa de churn foi alterada em 2 pontos percentuais negativos, ficando agora em 3,6%.

Já a base de unidades geradoras de receita fixas da AMX no Brasil caiu 2,8%, fechando o período com 35,962 milhões de UGRs.

Na banda larga fixa, destaca 8,9 milhões de clientes (31,2% de participação de mercado). Considerando somente conexões acima de 34 Mbps, a empresa conta com 1,7 milhão de acessos, e 46,9% de mercado.

Na TV por assinatura e somando Claro TV e Net, a companhia informa apenas que detém 51% do mercado. E detalha que a plataforma de vídeo on-demand da empresa, o Now, atingiu 1 bilhão de streamings nos últimos 12 meses.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top