OUTROS DESTAQUES
Crise da Oi
Justiça britânica reconhece pedido de recuperação judicial da Oi
sexta-feira, 24 de junho de 2016 , 12h22

Ainda na noite da quinta-feira, 23, a Oi informou ao mercado que a Suprema Corte de Justiça da Inglaterra e País de Gales reconheceu o pedido de recuperação judicial da empresa. Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a companhia declara que a Justiça britânica entendeu o processo como sendo um procedimento principal estrangeiro segundo a Lei Modelo da Comissão de Legislação de Mercado Internacional das Nações Unidas (Uncitral, na sigla em inglês) sobre insolvência transnacional. Esse modelo é o mesmo recomendado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro também na quinta-feira para lidar com o caso, uma vez que a operadora conta com ativos em outros países.

Segundo o comunicado, as ordens de reconhecimento emitidas pela justiça britânica "estabelecem que o início ou prosseguimento de procedimentos (incluindo quaisquer ações de execução) na Inglaterra e País de Gales com relação aos ativos, direitos, obrigações e responsabilidade dos devedores está suspenso". A ordem assegura à Oi algumas proteções em relação a medidas judiciais que possam ser tomadas por credores nesses países.

Saída de acionista

A Oi comunicou ainda que a HSBC Global Asset Management, subsidiária britânica do banco e que atua como gestora de ativos, confirmou a venda do montante de 9,356 milhões de ações, retirando totalmente sua participação minoritária na companhia brasileira. O comunicado ao mercado não informa quando foram feitas as vendas, divididas em quatro lotes para cada empresa administrada pela entidade (HGIF Eco Scale Index, HSBC EM Markets, HSBC ESI Worldwide, HSBC UCITS CCF-ESI).

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top