OUTROS DESTAQUES
Programação
Conselheira do Cade sugere revisão das regras de TV paga em defesa de pequenos operadores
quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2016 , 17h44

Depois de pedir a rejeição da joint-venture do SBT, Record e Rede TV para licenciamento conjunto de programação na TV paga, a conselheira do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Cristiane Alkmin Schmidt, sugeriu melhorias na regulamentação do serviço de TV por assinatura, com o objetivo de proteger as pequenas operadoras. Na opinião dela, o poder dado às emissoras abertas de proibir a transmissão (retransmission consent) de seus canais não prejudica as grandes empresas, porém pode inviabilizar o modelo de negócios das pequenas.

Por esta razão, após ler seu voto na sessão dessa quarta-feira, 24, no Cade, fez uma série de recomendações à Anatel, como a revisão das regras de verticalização entre líderes do mercado de TV paga. Ela vê aspectos anticompetitivos na verticalização da Globo, Net e Sky, cujos efeitos vão além da participação societária, que é vetada pela Anatel. Para ela, a ligação da Globo com uma empresa pequena não traria o menor problema.

A conselheira também vê necessidade de se estabelecer a lista das geradoras e retransmissoras neste novo marco digital, semelhante à estipulada para o sinal analógico, porque o must carry continua. Outra sugestão é de tentar dar um tratamento assimétrico entre as operadoras pequenas e grandes no âmbito da negociação com as TVs abertas. Ela sugere a reversão da decisão de transmitir de graça o sinal digital pelas operadoras e não pelas emissoras, no caso das pequenas. "Não sei nem se é viável, mas é um caso para a gente pensar junto", disse. Esse aspecto, contudo, está estabelecido na Lei do SeAC, que assegura aos radiodifusores a palavra final sobre o carregamento dos sinais digitais em caso de inviabilização de uma acordo comercial.

A conselheira foi ainda mais longe e defendeu a revisão dos parâmetros da cobrança dos preços isonômicos e não discriminatórios por parte dos programadores, e a fixação de diferencial de preço máximo. Da mesma forma, propôs estabelecer parâmetros da cobrança de preços isonômicos e não discriminatórios das TVs abertas e operadoras, fixando também diferencial máximo de preços. "O custo da programação é muito maior para as pequenas", ressaltou.

Para a Anatel e a Ancine, a conselheira recomendou a divulgação de uma portaria conjunta para estabelecer de forma mais clara o alcance das duas agências. "Isso já está na lei, mas ainda pode confundir os administrados", avaliou.

Averiguações

Além das recomendações para as agências reguladoras, a conselheira pediu à Superintendência-Geral do Cade para averiguar se há venda casada de TV aberta e TV paga (venda casada) pela Globo. "Eu não estou dizendo que há, apenas que pode ser que haja, embora a TV Globo tenha negado isso, mas houve denúncias", disse.

Para a relatora, se de fato isso estiver acontecendo, é muito complicado porque a Globo tem 39 canais de TV paga, o que pode dignificar o exercício de poder de mercado. "Muito embora, quero ressaltar, que esse não seria um problema para a Band. Acho até interessante, porque como ela é menor e tem quatro canais pagos, a venda casada é favorável para ela e para o consumidor", disse. Ela acredita que as operadoras podem não pagar pela TV aberta, o que dá possibilidade a que o consumidor tenha acesso às outras programações, de menor audiência.

O outro pedido à Superintendência-Geral é averiguar se há tratamento não isonômico e discriminatório na relação entre programadores de canais pagos e os pequenos operadores, comparativamente ao tratamento dado aos grandes. "Esse item não tem nada a ver com o ato de concentração que está sendo examinado, mas acredito que haja problemas ai, que se reflete na concorrência", disse.

 

 

COMENTÁRIOS

2 Comentários

  1. Provedor Bogus disse:

    Vamos deixar de debater isso. Do meu lado, torço para que a Globo vá a falência. Viva a Netflix ! Sem regulação do governo, qualquer negócio vai melhor. Quanto mais Estado se metendo, menos qualidade as coisas têm.

  2. Carlos Guerra Godoy disse:

    Ateh que enfim surge a Sra. Cristiane para dar um basta neste absurdo de cobrar por um conteudo que eh aberto.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top