OUTROS DESTAQUES
Incumbents, entrantes e celulares brigam por contratos de interconexão
quarta-feira, 23 de Janeiro de 2002 , 21h24 | POR REDAÇÃO

As companhias de telecomunicações com capital aberto movimentaram quase R$ 15 bilhões com interconexão até o mês de setembro do ano passado – pagando ou recebendo pelo uso da rede de outras operadoras. As tarifas de interconexão respondem a 20% da receita líquida das teles fixas e 40% das operadoras celulares. Empresas como Embratel e Intelig brigam com as incumbents locais por tarifas menores, enquanto estas não parecem dar muita atenção às futuras concorrentes. No campo da telefonia celular, as operadoras do Serviço Móvel Celular (SMC) adiam ao máximo a migração para o Serviço Móvel Pessoal (SMP), que as obriga a adotarem um Código de Seleção da Prestadora (CSP) e conseqüentemente transferir parte da receita de interconexão para as operadoras de longa distância. O tamanho dos negócios gerados e as reivindicações dos envolvidos estão na revista TELETIME desse mês.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top