OUTROS DESTAQUES
Empresas competitivas são mais vulneráveis à crise, mas devem sobreviver
quinta-feira, 22 de novembro de 2001 , 21h07 | POR REDAÇÃO

Com altos investimentos ainda por fazer e fluxos de caixa ainda baixos, as empresas competitivas, mesmo no mercado corporativo, demonstram maior vulnerabilidade à crise mundial. Enquanto as ações da BT experimentaram até agora uma desvalorização no mercado de 75% desde março de 2000, quando se deu o pico da valorização das teles e empresas de tecnologia no mundo, os valores de mercado das concorrentes Energis e Colt caíram, respectivamente, 92% e 88%. Mas apesar disso, Meek diz que muitas das empresas competitivas devem sobreviver, passando por alguma forma de consolidação e continuar a fornecer acesso de última milha depois de superado o atual período do setor.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top