OUTROS DESTAQUES
BLOQUEIO DE CELULARES
Cadastro de celulares roubados no país atinge 8,9 milhões de aparelhos
terça-feira, 05 de dezembro de 2017 , 19h45 | POR REDAÇÃO, COM ASSESSORIA DE IMPRENSA

O número de celulares bloqueados pelos usuários das operadoras no Brasil chegou a 8,9 milhões, de acordo com levantamento da ABRTelecom, empresa que gerencia o Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas (Cemi), sob a supervisão da Anatel. No mundo, o número de aparelhos impedidos por roubo, furto ou extravio chega a 48,9 milhões.

No Brasil, 80% dos estados já aderiram ao Cemi. Com isso, o registro para o bloqueio de aparelhos roubados, furtados ou extraviados pode ser feito diretamente pelas polícias estaduais, sem necessidade de o consumidor procurar a prestadora. Apenas cinco estados ainda não aderiram ao sistema: Acre, Alagoas, Amapá, Maranhão e Pará.

Com o Cemi, foi desenvolvido um ambiente online que permite às polícias fazer o registro dos terminais diretamente na base de dados. A facilidade também vale para comerciantes, distribuidoras ou fabricantes de celular que tiverem cargas roubadas: eles não precisam contatar as prestadoras móveis para o bloqueio; basta acionar os órgãos de segurança.

De acordo com dados da ABRTelecom, responsável pela operacionalização do Cemi, 147,6 mil aparelhos já foram bloqueados por solicitação de órgãos de segurança. Há, ainda, outros 8,9 milhões de aparelhos bloqueados por usuários das operadoras no Brasil. Como o Cemi é integrado à base de dados da GSM Association, o Cadastro reúne dados dos aparelhos bloqueados no Brasil e no exterior, o que contribui para o combate a atividades ilegais.

Se o consumidor precise consultar se um aparelho está bloqueado (por exemplo, antes de comprar um equipamento usado), é importante fazer a consulta pelo IMEI.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top