OUTROS DESTAQUES
Consolidação
TIM não negocia e LetterOne retira a proposta de capitalização da Oi
quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2016 , 11h48

Em comunicado ao mercado, a Oi informa que a LetterOne Technology (L1 Technology), controlada pelo russo Mikhail Fridman, afirmou nesta quinta-feira, 25, que não pode mais prosseguir com um plano de apoiar uma fusão entre a Oi e a TIM. O motivo foi o fato de o fundo de investimentos ter sido informado pela operadora italiana sobre o desinteresse em aprofundar negociações a respeito da possibilidade de uma combinação de negócios com a Oi no Brasil.

Na nota, a operadora brasileira ressalta que avaliará os impactos do anúncio para as possibilidades de consolidação no mercado brasileiro. "A Oi continua a empreender seus esforços de melhorias operacionais e transformação do negócio, com foco em austeridade, otimização de infraestrutura, revisão de processos e ações comerciais", informa.

O acordo entre a Oi e a LetterOne foi anunciado em outubro do ano passado e estava vinculado a um acordo com a TIM. A subsidiária britânica do fundo russo estava disposta a capitalizar a companhia brasileira com US$ 4 bilhões condicionada a uma transação de consolidação no Brasil. A Oi enviou uma contraproposta de exclusividade por um período de sete meses (contados a partir do dia 23 de outubro) para proporcionar a combinação de negócios, cujos termos foram aceitos pela empresa russa.

A expectativa era que, com a operação, houvesse uma redução de alavancagem da Oi, tornando-se um player mais robusto, e a geração de importantes sinergias e ganho de escala, promovendo geração de valor para todos os acionistas. Com a eventual fusão, o novo player poderia competir em maior igualdade no mercado de telecomunicações com a América Móvil e Telefônica. A operadora avaliava ainda que "o consumidor deverá ser beneficiado com o consequente fortalecimento da Companhia", apesar da redução de opções de concorrência.

Em outubro do ano passado, a Telecom Italia, por meio de seu CEO, dizia que qualquer conversa com a Oi estaria vinculada a uma mudança no modelo de concessões, o que ainda não aconteceu, apesar de o processo estar em curso. Outras questões que estavam sendo trabalhadas pela Oi, como o acordo com a Anatel referente aos Termos de Ajustamento de Conduta, que possibilitariam o encerramento dos processos administrativos, não foram concluídos ainda. E no meio do caminho dois acionistas da Oi tiveram executivos importantes presos em decorrência das investigações da operação Lava Jato. A Oi teve ainda sua nota rebaixada por agências de rating, na esteira do rebaixamento do risco soberano do País, e terá que equalizar uma dívida de mais de R$ 50 bilhões que tem uma significativa parcela de vencimentos programada para o começo do segundo semestre.

No comunicado enviado à Oi, a LetterOne disse que ao longo dos últimos quatro meses explorou propostas para desenvolver opções de estruturas e de financiamento viáveis que possibilitariam uma consolidação com a TIM. "Ocorreram amplas conversas com diversos acionistas no Brasil, e conversas com a TIM", ressaltou o fundo de investimentos.

A LetterOne disse também que sua abordagem teve o objetivo de destravar o potencial desta operação no setor de telecom por meio de uma estrutura da qual todas as sociedades estivessem alinhadas. "Porém, sem a participação da TIM, a L1 Technology não poderá neste momento prosseguir com a operação proposta conforme anteriormente prevista", destacou.

O fundo afirmou ainda que apesar de um ambiente macroeconômico desafiador, está interessada em investir no Brasil, "um País com bom potencial de crescimento de longo prazo", completou.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top