OUTROS DESTAQUES
TV digital
Eleições municipais devem afetar cronograma do switch-off analógico em 2016
terça-feira, 05 de Janeiro de 2016 , 16h02

O Ministério das Comunicações e o Gired (grupo de implementação da TV digital) devem divulgar, ainda este mês, o novo cronograma de desligamento do sinal analógico para 2016, com mudanças substanciais. Além do switch-off de Rio Verde (GO), que foi transferido para 15 de fevereiro deste ano, o desligamento deve se restringir apenas a Brasília, entre as grandes cidades, e mais 11 municípios do entorno da capital federal, pertencentes aos estados de Goiás e Minas Gerais.

É o que antecipa notícia publicada pelo próprio site do Minicom, no final do ano passado. A exclusão de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, que constam do cronograma atual, não foi confirmada oficialmente, mas é dada como certa por fontes ligadas ao tema. Os principais motivos não são mais os Jogos Olímpicos ou as dificuldades no atingimento do percentual de digitalização. A bola (ou argumento) da vez é a eleição municipal.

Como não há eleição municipal em Brasília, a cidade será mantida e o desligamento pode até acontecer antes do final da Olimpíada, como se previa anteriormente. Segundo fontes ouvidas por este noticiário, o novo cronograma deve ser elaborado levando em conta premissas básicas, como os recursos disponíveis para a digitalização, a necessidade de entrega da frequência comprada pelas teles na data combinada e a capacidade de recepção do sinal digital por 93% dos domicílios que atualmente recebem a programação da TV aberta.

Nesse quesito foi obtido um avanço no debate entre teles e radiodifusores. Os representantes das emissoras de televisão aceitaram abrir mão da margem de erro da pesquisa, o que significa que o desligamento pode ser autorizado com 90% dos lares atendidos e considerados aptos os domicílios exclusivamente atendidos por TV a cabo e também aqueles com cabo digital que tenham um segundo aparelho apto a receber a TV aberta digital.

Será avaliada também a possibilidade de distribuição do conversor para além dos beneficiários do Bolsa Família. Mas, nesse caso, a caixinha será simples, sem o Ginga, que garante a interatividade. As propostas devem partir do Gired, que ainda não tem data para voltar a se reunir. A experiência de Rio Verde é que deverá orientar esta decisão.

COMENTÁRIOS

3 Comentários

  1. Richard disse:

    E lá vamos nós…

  2. Richard disse:

    Depois que passarem as Olimpíadas, as eleições, o dia das crianças, Finados, Proclamação da República, qual será a nova desculpa?

    "Ah… as pessoas não vão conseguir assistir ao carnaval de 2020 então adie o switch-off"?

  3. Ana Carolina disse:

    Todo mundo sabe que é ano eleitoral… que planejamento de projeto é este que não considera este tipo de risco em seu cronograma? Brasil país de tolos, governado por incompetentes.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top