OUTROS DESTAQUES
TV digital
Minicom adia prazo de switch-off em Rio Verde por mais dois meses
segunda-feira, 09 de novembro de 2015 , 16h48 | POR BRUNO DO AMARAL, DE JOÃO PESSOA, A CONVITE DO CGI.BR

O Ministério das Comunicações trabalha com um novo prazo de dois meses para executar o processo de desligamento da TV analógica em Rio Verde (GO). Segundo o ministro das Comunicações André Figueiredo, durante esse período, contado a partir do fim do prazo original, dia 29 de novembro, haverá uma evolução nas intervenções nos sinais de TV aberta locais, que incluem tarjas e avisos, e também a mudança na metodologia para alcançar os 93% de cobertura da TV digital. "Claro que dia 29 não vai dar para fazer o switch-off da maneira que gostaríamos, mas vamos iniciar processo de intervenções", declarou ele em conversa com jornalistas antes de painel de alto nível no Fórum de Governança de Internet (IGF 2015), nesta segunda-feira, 9, em João Pessoa.

O ministro acredita que, mantendo a metodologia, mesmo o prazo de 60 dias após o dia 29 de novembro não seria suficiente para atingir a meta de 93%. Assim, a mudança de método, algo sugerido pela Entidade Administradora da Digitalização (EAD) e que seria apenas para Rio Verde, sugere incluir acessos de TV paga e sinal de antena parabólica –  a fórmula atual só leva em consideração as casas que recebem o sinal terrestre de TV aberta. Figueiredo diz que, com essa contagem, hoje o município goiano já teria a cobertura de 78%, contra os 49% aferidos ao final de outubro. "Claro que a gente quer o menor número de pessoas prejudicadas, então estamos trabalhando com número muito próximo de 93%, especialmente para Rio Verde, e acho que a gente atinge", declara.

Há ainda a entrega de set-top boxes aos beneficiários do Bolsa Família. De acordo com Figueiredo, incluindo a distribuição dos aparelhos, a cobertura da TV digital terrestre já sairia dos 49% para 60% em Rio Verde.

O Minicom diz que esse atraso na cidade do interior de Goiás não mudará o calendário em outras cidades, mas reconhece que há flexibilidade em alguns casos, como Brasília, que poderá ter o switch-off logo após os Jogos Olímpicos no ano que vem, já que a capital não conta com eleições municipais. "O que não vamos abrir mão é de cumprir o prazo até 31 de dezembro de 2018 para o switch-off geral", garante o ministro.

Correios

André Figueiredo comentou a nomeação do ex-deputado Giovane Queiroz (PDT) para a presidência dos Correios. "Ele sempre foi muito ligado à Comissão de Orçamento da Gestão Financeira, e ele começou cortando salários, em um ato simbólico", destacou. "A gente compreendeu que, no momento em que está a empresa, medidas que podem não trazer alteração significativa no orçamento, mas simbolismo de cortar drasticamente os próprios salários de presidente e vice-presidente, têm repercussão muito boa no corpo de funcionários", diz. Já para a Telebras, o ministro afirmou que manterá o atual presidente, Jorge Bittar.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top