OUTROS DESTAQUES
TV por assinatura
TIM relança sua caixa de TV, agora com canais pagos lineares, Netflix e TV aberta
terça-feira, 16 de junho de 2015 , 17h46 | POR FERNANDO LAUTERJUNG

A TIM lançou nesta terça, 16, a sua central de entretenimento Live TIM Blue Box (que já havia sido lançada, com apenas parte dos serviços, há cerca de um ano). A caixa é oferecida aos assinantes da banda larga fixa Live TIM (Rio de Janeiro e São Paulo) por uma assinatura adicional de R$ 9,90, e para não-assinantes – neste caso, somente para compra -, por R$ 599,00. Com isso, a operadora agrega à sua rede serviços de vídeo, sempre através de parcerias. A caixa conta com receptor de TV digital terrestre e aplicativos do YouTube, aplicativo do Netflix e da Self TV, serviço de TV por assinatura linear da TV Alphaville. Os aplicativos que precisam de assinatura estão disponíveis apenas à base da própria TIM. Para ter o serviço da Netflix ou da Self TV é preciso fazer uma assinatura adicional, junto a esses provedores.

“Muitas operadoras lançaram serviços de TV paga para complementar o seu pacote. Nós reconhecemos que em algumas áreas o ideal é trazer quem entende deste assunto. Entendemos que era melhor fazer parcerias com especialistas do que passar a negociar conteúdos”, disse Rogério Takayanagi, CMO da Tim, no lançamento da caixa. Segundo o executivo, o lançamento foi um “primeiro passo que vai abrir oportunidade de desenvolver novos modelos de negócios, inclusive com outros parceiros”. Para a operadora, fomentar o consumo de vídeos online é estratégico para desenvolver o negócio de dados. “Quanto mais as pessoas consumirem vídeo e TV, mais vão demandar uma Internet de qualidade”, disse Takayanagi.

A operadora teve, há muitos anos, uma parceria com a Sky no passado para a venda conjunta dos serviços de TV DTH e banda larga. “Vimos que o dia a dia da operação era complicado demais. Na prática, ficou difícil de operacionalizar”, afirma o executivo.

Este noticiário apurou que a parceria com a Netflix terá um elemento novo, que é o modelo de co-billing, que pela primeira vez a Netflix pratica no Brasil. Em vez do uso do cartão de crédito, a conta do serviço de vídeo poderá vir na conta do assinante Live TIM.

Conteúdo

Com aproximadamente 2 milhões de homes passed em São Paulo e no Rio de Janeiro, o serviço de banda larga ainda conta com uma base modesta, de 150 mil assinantes. E, claramente, há uma lacuna a ser preenchida em boa parte da base com o serviço de vídeo. Segundo Flávio Lang, executivo responsável pelas operações residenciais da TIM, quase metade da base da operadora (46%) não conta com serviços de TV paga. Com o novo produto, a operadora começa a preencher esta lacuna.

Segundo Lang, 49% do tráfego no Live TIM é de streaming de vídeos. “Os novos assinantes, no começo, usam muito a rede para fazer peer-to-peer. Dois meses depois, há uma mudança de comportamento, migrando para o streaming de vídeo. O usuário acaba substituindo a pirataria por serviços legítimos”, diz.

No caso dos serviços pagos – Netflix e Self TV – a caixa é apenas um facilitador. A assinatura é feita diretamente com o parceiro.

Lang admite que falta na oferta um serviço de video on-demand transacional, mas diz que já está negociando com um parceiro. “Acho que já temos o que é mais crítico, mas ainda vamos buscar outros parceiros e serviços”, disse.
A ideia é atender também uma base que não pode arcar com os combos da maioria das operadoras. “Nossa estratégia atende aos novos hábitos de uso, muito mais compatível com a sócio-geografia brasileira. A renda familiar média está abaixo de R$ 1 mil. Quem está disposto a colocar mais de 25% de sua renda em um pacote de telecomunicação e televisão?”, disse Takayanagi. “Estamos penetrando mais na base da pirâmide, justamente por não estar forçando o combo”, complementou Lang. Segundo o executivo, é difícil entrar no mercado de TV por assinatura. “Não dá para ganhar dinheiro com TV em modo de ataque. Ou é de forma defensiva, para preservar sua base em outros serviços, ou você já tem escala muito grande”, disse.

Tecnologia

As caixas são baseadas em sistema operacional Linux, com software da Minerva, e baixa demanda de processamento. Conta com entrada para antena (para a TV digital terrestre), uma porta Ethernet e conectividade Wifi. As saídas são HDMI, S-vídeo e áudio digital óptico.

A caixa também pode ser usada para reproduzir na TV o conteúdo do YouTube de um tablet ou celular. O guia de programação integrado engloba todo o conteúdo linear – da TV aberta e por assinatura. Há ainda uma ferramenta de recomendação, que inclui as plataformas online YouTube e Netflix. Uma evolução da ferramenta permitirá, em breve, recomendações personalizadas por usuário.

Por ter sido desenhada para ter um custo menor, a caixa não é rápida, sendo que o “zapping” consome cerca de 4 segundos entre os canais. Os aplicativos de TV paga e Netflix demoram um pouco para carregar. As caixas podem ser compradas online pelos assinantes do serviço da TIM. Para não assinantes, podem ser compradas em algumas lojas da operadora.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top