OUTROS DESTAQUES
Fornecedores
Siemens Mobile quer dobrar faturamento na América Latina até 2006
quinta-feira, 15 de julho de 2004 , 14h14 | POR FERNANDO PAIVA, DE SANTIAGO, CHILE

A Siemens Mobile pretende dobrar seu faturamento na América Latina até 2006. ?A meta está entre as maiores da companhia, ficando atrás talvez apenas das projeções para a China?, explica Paulo Stark, vice-presidente de celulares para América Latina do empresa. Para atingir esse objetivo, a fábrica de Manaus da Siemens terá papel preponderante: a companhia está investindo US$ 90 milhões em sua ampliação e espera que até o final do ano 30% de sua produção esteja sendo exportada para o continente latino-americano. A companhia não revela de quanto é seu faturamento na América Latina atualmente. Vale lembrar que a Siemens Mobile engloba não somente a área de telefones móveis, mas também as de módulos sem fio, de telefones sem fio e de infra-estrutura celular.
Entre março de 2003 e março de 2004, a Siemens Mobile aumentou de 5,4% para 10,3% seu market share em telefones celulares na América Latina, saltando de 365 mil terminais para 1,39 milhão. ?Estamos em primeiro lugar entre os fornecedores GSM na região", garante Stark. O executivo calcula que o mercado latinoamericano terá entre 40 milhões e 50 milhões de novos usuários de telefonia celular nos próximos três anos.
Para consolidar sua posição no continente, a Siemens aposta em uma estratégia agressiva de lançamentos de celulares. Apenas nos próximos 5 meses serão lançados 12 novos modelos para a América Latina. Quatro deles foram apresentados nesta quinta-feira, durante o anúncio dos planos da empresa para a região, em uma coletiva internacional em Santiago, Chile. Merece destaque o modelo A65, cujo lançamento ocorre simultaneamente na América Latina e na Europa. O A65 trafega dados em GPRS, envia mensagens multimída (MMS) e permite acoplar uma câmera fotográfica.

Convergência

A Siemens decidiu fundir mundialmente suas áreas de telefonia móvel e fixa. O anúncio foi feito na semana passada, mas os detalhes da reestruturação só serão revelados em outubro. ?Nossos clientes estão criando serviços híbridos, móveis e fixos. Nós escutamos o mercado e estamos nos adaptando a esta tendência?, justitificou Joe Kaeser, membro da diretoria mundial da Siemens Mobile. No ano fiscal encerrado em outubro de 2003, a Siemens teve uma receita de 10 bilhões de euros em telefonia móvel e 7 bilhões de euros em telefonia fixa.
Kaeser revelou também que a empresa tem planos de desenvolver terminais que mesclem as tecnologias GSM e WiFi ou WiMax, mas isso ainda está em estudo.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top