OUTROS DESTAQUES
Carga tributária
Para Abranet, ICMS no acesso à web limita competição
quarta-feira, 30 de junho de 2004 , 16h32 | POR LETÍCIA CORDEIRO

A cobrança de ICMS sobre o serviço de acesso à internet – entre 12% e 35%, dependendo do Estado – poderá ter várias conseqüências negativas, como a diminuição do número de competidores e até a saída de vários deles do Brasil, por não terem como manter preços competitivos para o usuário, na opinião do presidente da Associação Brasileira de Provedores de Internet (Abranet), Cassio Vecchiatti. ?Por causa da sanha arrecadadora dos Estados em aumentar a carga para elevar as receitas, os provedores de acesso vão migrar para onde a carga tributária for menor?, prevê. Vecchiatti diz que o setor não se nega a pagar imposto, desde que o percentual seja razoável. Segundo ele, o ISS, cobrado pelos municípios sobre serviços de valor agregado e que varia de 2% a 5%, é razoável e todos os provedores pagam.
Está em andamento no Superior Tribunal de Justiça (STJ) o julgamento de uma ação sobre a aplicação do ICMS ou do ISS sobre o acesso à internet. Os votos dos ministros da Primeira Seção do STJ estão empatados, por enquanto, com dois votos cada um. A votação foi suspensa no último dia 23 por um pedido de vista do ministro Castro Meira.
A grande questão aqui é a classificação do acesso à internet como serviço de valor agregado – tributado pelo ISS dos municípios – ou como serviço de telecomunicações – tributado pelo ICMS dos Estados. Uma saída para provedores e, por conseqüência, para usuários não sofrerem o impacto de até 35% de imposto, na opinião de Vecchiatti, seria a aprovação de um projeto de lei no Congresso Nacional determinando o acesso à internet como serviço de valor adicionado.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top