OUTROS DESTAQUES
Bolsa de valores
Balanço da Telemig é bem recebido, mas opção pelo GSM preocupa
quarta-feira, 12 de Maio de 2004 , 20h20 | POR REDAÇÃO

Apesar da queda de lucro líquido e de receita, o balanço trimestral da Telemig Celular foi bem recebido pelo mercado. Tanto que em mais um dia de queda da bolsa ? e de grandes perdas em várias empresas de telecomunicações ? as ações preferenciais da operadora subiram quase 4%, fechando a R$ 4,21.
Note que as ações ordinárias (ON) não tiveram essa preferência. Ao contrário, caíram 1,62%, fechando a R$ 6,70. Mas essa é uma outra história. Deve-se mais à notícia de que a Telemig Celular prometeu em teleconferência realizada nesta quarta-feira, 12, lançar serviços no padrão GSM já ao longo do segundo semestre deste ano. Ou seja: vai ficando cada vez mais certo para o mercado, que os controladores não querem mesmo vender a empresa para a Vivo, cuja rede opera em CDMA. Resta a outra potencial interessada, a Claro, que, segundo apostam os analistas, já descartou essa hipótese e está partindo para a compra de sobra da Banda E em Minas Gerais.

Depreciação acelerada

Os analistas ouvidos por TELETIME News não olharam tanto para a chamada ?última linha? (lucro líquido) do balanço trimestral da Telemig Celular porque a queda se deveu principalmente a uma operação contábil. Como se sabe, em fase de troca de tecnologia TDMA para GSM, a companhia resolveu acelerar a depreciação da primeira. Se não fosse isso, o lucro seria um pouco maior do que no semestre passado, apesar da redução sazonal de receitas.
Há uma lista de outras boas indicações da empresa:
1) A base de assinantes continuou crescendo bem e a perda de market share foi relativamente pequena (de 58% para 56%) face à agressividade da competição com a Oi em Minas Gerais;
2) A taxa de cancelamento (churn) caiu de 29% para 27%;
3) A margem EBITDA foi de 47% para 50 %, a maior da história da companhia.
4) O volume em caixa (R$ 941 milhões) permitiu que a operadora atingisse uma dívida líquida negativa de R$ 273,3 milhões, de uma dívida total de R$ 703,9 milhões.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top