OUTROS DESTAQUES
Conflito entre sócios
Intenção do Opportunity pode ser controle da BrT Celular
segunda-feira, 15 de setembro de 2003 , 11h10 | POR FERNANDO PAIVA

Uma fonte que acompanha de perto o processo de volta da Telecom Itália ao controle da Brasil Telecom revelou o que pode ser a solução do Opportunity para conciliar o retorno dos italianos sem que nenhuma das partes perca sua licença de telefonia móvel. Se a solução for mesmo adotada, o Opportunity ficaria, na prática, com o controle da operadora móvel da Brasil Telecom. Não está claro ainda se esta solução foi exatamente a apresentada para a Anatel.
A engenharia, passo a passo, é a seguinte:

1) A Brasil Telecom Celular (detentora da outorga) deixaria de ser uma subsidiária integral da BrT e passaria a ter como sócios a Techold e a Timepart, ambas empresas controladas pelo Opportunity e que estão no controle da Brasil Telecom.
2) Com o retorno da Telecom Itália ao controle da Brasil Telecom, esta teria que abrir mão, por força legal, de controlar a empresa de celular.
3) A Brasil Telecom Celular passaria a ser controlada por Techold e Timepart. A Techold é a empresa por onde o Opportunity gere a participação dos fundos e do Citibank (CVC Internacional) na BrT. Já a Timepart é a principal detentora de ações ordinárias da Solpart. Participam do capital da Timepart empresas cujos sócios formais são pessoas ligadas a Daniel Dantas (Luiz Raymundo Tourinho Dantas, pai do empresário, Eduardo Cintra Santos e a empresa CSH LLC).

Como apenas Techold e Timepart teriam poderes sobre a subsidiária móvel, se essa solução for aceita pela Anatel, a Brasil Telecom Celular, cuja licença e rede são pagas com dinheiro de todos os acionistas da Brasil Telecom, ficaria, na prática, sob o controle apenas do Opportunity. E restaria a dúvida: com quem a Brasil Telecom buscaria a sinergia na telefonia móvel? Com TIM ou com Brasil Telecom Celular?
Vale lembrar que Techold e Timepart são sócias, junto com a Telecom Itália, na Solpart, holding que controla a Brasil Telecom Participações (BTP). Portanto, elas podem ser consideradas empresas coligadas pela regulamentação, o que as impediria também de controlar a Brasil Telecom Celular. Especula-se que a ?blindagem? que o Opportunity buscava aprovar no estatuto social da BTP serviria exatamente para apagar essa relação e viabilizar a engenharia acima descrita.
O Opportunity foi procurado via sua assessoria no Rio de Janeiro mas não deu retorno até o fechamento da edição.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top