OUTROS DESTAQUES
Prestação de serviços
Investimentos têm queda de 8,5%
quarta-feira, 03 de setembro de 2003 , 16h20 | POR REDAÇÃO

Os investimentos no setor de prestação de serviços – construção, expansão, manutenção e operação de redes – registrou de junho de 2002 a junho último uma redução de 8,5%, a despeito do desembolso das operadoras fixas e celulares ter aumentado quase 15% em relação ao mesmo período, segundo levantamento da Associação Brasileira de Empresas Prestadoras de Serviços em Telecomunicações (Abeprest) divulgado nesta quarta, 3.
As teles devem desembolsar R$ 10,2 bilhões até o final deste ano. Desse total, R$ 3,3 bilhões (32%) devem ser convertidos em contratos de prestação de serviços, enquanto o restante deverá ser aplicado principalmente em migrações de rede, para o GSM, e expansão de serviços ADSL.
No ano passado, percentual destinado à prestação de serviço foi de 39%. Houve uma queda de investimentos nas operadoras fixas e prestadoras de Serviço Limitado Especializado e Serviço de Comunicação Multimídia (SLEs/SCMs) e um aumento nas operadoras móveis e de longa distância.
Em linhas gerais, o mercado de serviços obteve uma queda de R$ 200 milhões em comparação com 2002.

Margem menor

De acordo com a pesquisa, 31% das prestadoras de serviços afirmaram que os preços dos contratos caíram entre 21% a 30%. Com isso, essas empresas estão mudando seu foco para a prestação de serviços de manutenção (caso também dos vendors mundiais) e buscando alternativas na diversificação, ou seja, fora do setor de telecomunicações.
Um dado preocupante é a queda de emprego. Das mais de 46 mil vagas registradas em 2000 pela área de prestação de serviços, restaram apenas 26 mil até fevereiro deste ano, o que representa uma redução de quase 45%. A média salarial dos funcionários do segmento registrou uma queda de 24%.
A pesquisa da Abeprest aponta, ainda, para alguns desafios que seus associados terão resolver para continuar competindo: profissionalização do setor; queda de preços; queda da mão-de-obra qualificada; e dificuldade em habilitar-se para novas tecnologias.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

Top