OUTROS DESTAQUES
Nova Oi
Depois de 18 meses, Oi aprova plano de recuperação
quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 , 02h26 | POR FERNANDO PAIVA E SAMUEL POSSEBON

Um ano e meio depois de entrar em recuperação judicial, a Oi conseguiu, apesar das inúmeras dificuldades, aprovar o seu plano de recuperação na Assembleia Geral de Credores iniciada na terça, 19 de dezembro, e encerrada na madrugada desta quarta, dia 20. Depois de quase 14 horas de sessão, o plano de recuperação da empresa, com mudanças feitas ao longo do dia, foi aprovado por praticamente 100% dos credores em quase todas as categorias, exceto os quirografários classe III na modalidade valor que fecharam em 72,12%.

A Anatel e a AGU, como já havia antecipado este noticiário, votaram contra e foram praticamente os únicos credores a se opor ao plano. Como esse cenário estava previsto pela empresa, o plano foi mudado e a Anatel, na prática, entrou na vala comum dos demais credores, nas mesmas condições de todos que votaram contra. Na prática, o governo sai pior do que ficaria se tivesse votado a favor do plano, pois receberia em condições melhores no plano original. Já o BNDES votou favoravelmente ao plano, o que foi determinante para o sucesso da aprovação do plano. O BNDES, por ser credor único em sua classe, tinha na prática poder de veto a qualquer plano. Os bancos públicos (Banco do Brasil e Caixa) também votaram a favor e terão o tratamento previsto no plano de recuperação.

Agora a Oi inicia a segunda etapa do seu plano, que é conseguir vencer as inevitáveis batalhas judiciais contra os credores insatisfeitos (inclusive governo), acionistas, aprovar o plano em segunda instância e, sobretudo, chegar ao momento de capitalização, cuja data limite agora está definida em 28/2/19. Esse processo será essencial para a empresa pois os recursos previstos na capitalização é que garantirão o colchão de novos investimentos para a Oi.

Os percentuais de aprovação foram:

Classe 1 – 100%
Classe 2 – 100%
Classe 3 – 99,56% – por cabeça
Classe 3 quirografarios – 72,17% por valor
Classe 4 – 99,8%

Eurico Teles, presidente da Oi, comemorou: "Quero agradecer a todos os presentes, que puseram a Oi no lugar que merece, no lugar dela".

O plano aprovado segue, em linhas gerais, o que havia sido apresentado há uma semana, exceto algumas mudanças feitas no decorrer da AGC (confira aqui as mudanças). O plano prevê a possibilidade de diluição dos acionistas em até 75% a depender do compromisso dos credores com a conversão em ações e aumento de capital. A dívida da empresa deve cair para cerca de R$ 24 bilhões, e será feito um aumento de capital de R$ 4 bilhões, mais uma possível capitalização de R$ 2,5 bilhões. A expectativa da Oi é investir R$ 7 bilhões ao ano a partir de 2018.

COMENTÁRIOS

2 Comentários

  1. Erick disse:

    Torço para que a Oi, a partir de agora, encontre novos caminhos e volte a crescer… E tomara que os chineses invistam muito $$$ na Oi para torna-la forte e competitiva ao nível da Vivo.

  2. Erick disse:

    Tomara que os chineses invistam muito $$$ na Oi para torna-la forte e competitiva ao nível da Vivo.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top