OUTROS DESTAQUES
Análise
O cobre ainda respira
terça-feira, 20 de outubro de 2015 , 15h32 | POR SAMUEL POSSEBON, DE LONDRES, A CONVITE DA ALCATEL-LUCENT

As redes de par-trançado de cobre utilizadas para telefonia pelas operadoras de telecomunicações são, há muito tempo, consideradas redes legadas cujo destino, no longo prazo, é a substituição completa por redes de fibra. Esse consenso permanece. O que tem mudado é o tempo de sobrevida dessas redes. A evolução das tecnologias de otimização do espectro e redução de interferências estão, a cada ano, acrescentando uma perspectiva de sobrevivência mais longa ao cobre. Para Trevor Linney, principal executivo da divisão de acesso da BT (British Telecom), a sobrevida das redes de cobre já passa, hoje, dos dez anos, e esse período tende a aumentar. A BT e a Alcatel-Lucent, por exemplo, anunciaram durante o Broadband World Forum, que acontece esta semana em Londres, terem conseguido, em laboratório, atingir velocidade de 5 Gbps em um único par de cobre, com tecnologia XG.Fast. Foi um experimento controlado, em um trecho de apenas 100 metros de par-trançado, mas segundo Mike Galvin, responsável pelo acesso de ultra-banda larga da BT, é um resultado muito promissor. Operadoras como a BT e a Orange já falam em ter no próximo ano as primeiras implantações de VPlus (uma evolução do VDSL2 para velocidades de até 300 Mbps) e as primeiras redes G.Fast também chegam em 2016 (hoje são cerca de 34 operações em teste hoje, incluindo um teste de 2 mil usuários no Reino Unido). No roadmap das operadoras com grandes redes legadas de cobre, as primeiras redes XG.Fast são esperadas para 2018.

Todas as tecnologias são variações sobre o mesmo tema, e partem de uma combinação entre redes óticas até um armário de distribuição e acesso final por cobre, como o VDLS2. O que muda é o tamanho da rede de cobre (quanto menor a distância entre o cobre e a fibra, maior a velocidade) e o uso da técnica de vectoring, que tem permitido a otimização das redes metálicas. Em termos simplificados, vectoring é uma espécie de cancelamento de ruído, e hoje essa técnica já está sendo usada em cerca de 80 milhões de acessos xDSL. Somada a técnicas de modulação TDD e combinação de pares (bonding), é possível que uma rede de cobre que hoje oferece 1 MHz de espectro para um serviço de banda larga ADSL com velocidade máxima de 10 Mbps (com esforço), por exemplo, comporte até 100 MHz de largura de banda no G.Fast ou 500 MHz no XG.Fast, com velocidades indo até 10 Gbps. Um número ainda competitivo em relação a redes de fibra e cabo, ainda mais considerando que os engenheiros ainda são unânimes em dizer que o cobre, um dia, será substituído pela fibra, e que a implementação do FTTH (fibra ponta-a-ponta) ou HFC (redes de cabo e fibra) sejam mais recomendáveis para implantações "green field", ou seja, onde não há redes legadas .

Obviamente, nem todas as redes de cobre têm salvação. Redes muito antigas, com longos trechos entre a casa do usuário e a central (mais de 500 metros), com muitas emendas, cobre de má qualidade e oxidado, exposição a intempéries, excesso de interferências com redes elétricas ou outras redes de cobre, tudo isso complica a otimização das redes legadas. Para receberem o upgrade, precisam de muito investimento, de modo que refazer tudo em fibra acaba sendo muito mais barato.

Mas um aspecto promissor das tecnologias de cobre é que elas podem facilitar a implementação inclusive das redes de fibra. Altas velocidades estão sendo alcançadas com a rede de fibra chegando até a porta da residência ou do edifício, e o restante do trajeto é feito pelo cobre tradicional. Muitas operadoras têm optado inclusive por não levar a rede de fibra para dentro da casa do assinante, pelo custo de instalação, fragilidade da fibra e pelo incômodo de fazer um novo cabeamento dentro das residências, diz David Eckard, CTO de banda larga fixa da Alcatel-Lucent, empresa que desenvolve e aposta em tecnologias como VPlus e G.Fast .

A BT, por exemplo, tem planos de ter 10 milhões de domicílios no Reino Unido cobertos por redes G.Fast até 2020. Lembrando que o modelo da BT envolve não apenas a oferta de serviços pela própria operadora, mas também a rede Open Reach, que é a oferta de capacidade para provedores competitivos. Paralelamente, a BT também está acelerando a implantação de redes de fibra FTTx.

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Richard disse:

    Só que a Vivo está difícil dar uma sobrevida ao seu cobre: em plenos 2015 oferecer planos de 10Mbps down e +/-600Kbps é uma piada de mau gosto

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top