OUTROS DESTAQUES
POLÍTICA
SindiTelebrasil e Intervozes concordam: é preciso universalizar a banda larga. Mas quem paga a conta?
terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018 , 22h39

A criação de uma política pública de universalização do acesso à Internet foi o tema de consenso entre os participantes de debate no Seminário Políticas de (Tele)Comunicações, que ocorreu nesta terça-feira, 20, em Brasília. O presidente executivo do SindiTelebrasil, Eduardo Levy, destacou que dos 4 mil projetos que afetam o setor, é possível identificar apenas no PLC 79/2016 uma proposta realmente estruturante, e que nos últimos anos o PL 29, que deu origem à Lei do SeAC, pode ser classificado da mesma forma. Levy reiterou que hoje existem 30 milhões de domicílios sem banda larga e que não existem políticas públicas que prevejam o atendimento destas localidades, consideradas pouco atrativas.

A advogada do coletivo Intervozes, Veridiana Alimonti foi crítica aoPLC 79, o qual classificou como desestruturante, por abdicar da capacidade do Estado de gerir um serviço classificado como essencial pelo Marco Civil (acesso à Internet) com os mecanismos típicos da concessão, como controle tarifário e obrigações de universalização e abrir mão do patrimônio existente no conjunto de bens reversíveis. "Não estamos sós neste pensamento. Críticas ao projeto vêm do Tribunal de Contas da União, do Ministério Público Federal e da própria consultoria técnica do Senado", afirmou.

Para ela, é fundamental preservar o direito ao acesso, e há vários anos o movimento Direitos na Rede advoga por uma política que estabeleça a banda larga em regime público. Ela concorda que é necessário rever a questão tributária setorial e a utilização dos fundos setoriais como forma de viabilizar a oferta de banda larga universal.

Eduardo Levy, no entanto, quando se fala em direito de acesso é necessário pensar de quem será a obrigação, lembrando que alguém precisará fazer o investimento para assegurar o acesso . "Com o ritmo de crescimento da demanda atual, o investimento atual, que gira em torno de R$ 30 bilhões, só servem para a manutenção dos serviços. Precisamos de centenas de bilhões de reais para universalizar a banda larga".

 

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top