OUTROS DESTAQUES
Governança da Internet
Proposta cria camadas para maior participação da sociedade no CGI
sexta-feira, 17 de novembro de 2017 , 20h08

A composição, representatividade, responsabilidade e estrutura do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGIbr) podem passar por transformações profundas no futuro próximo. Durante nove horas nesta sexta-feira, 17, a sétima edição do Fórum da Internet no Brasil abriu espaço para uma audiência pública para a apresentação de propostas e comentários sobre a governança da Internet no País, que deverão resultar em um documento que se juntará à consulta pública que se encerrará no próximo domingo, 19. Em comum, todos os setores defendem o caráter multistakeholder na entidade, mas não sem divergências na representatividade e no peso de cada setor.

Entre as várias contribuições, a da Associação Brasileira de Internet (Abranet) foi a que mais recebeu apoio durante o evento. A sugestão apresentada pelo presidente da entidade, Eduardo Parajo, é a da criação de camadas estruturantes em três níveis, no conceito de baixo para cima (bottom-up) de governança. Na camada mais alta, manteriam-se as 21 cadeiras do conselho do CGI, enquanto na intermediária haveria "conselhos setoriais" com representantes do setor público, empresarial, terceiro setor e comunidade científica. Na mais baixa estaria a sociedade. "Não queremos criar critério que possa inibir a participação de uma pessoa ou entidade de setor, objetivo principal é deixar aberto", declara.

A proposta de Parajo prevê um cronograma que discuta o assunto com debates já em janeiro e em um processo conduzido pelo próprio Comitê, que convocaria uma reunião aberta para obter subsídio. "A ideia é ter um modelo bottom-up mesmo, com propostas saindo da sociedade, sendo discutidas pelos conselhos setoriais e aí subindo como demandas para o Comitê", explica. Ele sugere que essas pessoas da camada da sociedade tenham vínculos, e que cada setor tenha seu critério e regras para definições nas camadas mais baixas.

Concordaram com a sugestão, entre outros, a representante dos coletivos e entidades Barão de Itararé e Coalizão Direitos na Rede Renata Mieli, e o professor da Universidade do ABC e conselheiro do Comitê, Sérgio Amadeu. "O CGI vai ganhar em participação, em acompanhamento da sociedade, se pudermos ampliar a participação de vários segmentos", declara Amadeu, sugerindo ainda que essas camadas substituam a criação dos colégios eleitorais.

Dança das cadeiras

Várias entidades sugeriram a manutenção das cinco das 21 posições do conselho entre quatro grupos, mas com a extinção da cadeira do notório saber, substituído por um membro definido pelo governo, conforme sugeriu a advogada da Proteste, Flávia Lefèvre, ou pelo presidente do conselho, conforme sugeriu Bia Barbosa, do Intervozes. Mas a distribuição dessas cadeiras e o peso foram motivo de discussões.

A proposta do SindiTelebrasil é que a entidade mantenha as 21 cadeiras, mas que a divisão seja entre cinco grupos. Um deles é empresarial de estrutura e equipamentos (com representantes de provedores fixo e móvel; satélite; de pequeno porte até 50 mil usuários; e de serviços e representantes de usuários), outro de provedores e conteúdo e aplicações de Internet. Os outros três são governo (com representantes do MCTIC, Ministério da Justiça, Ministério das Relações Exteriores e Anatel), de terceiro setor e sociedade (incluindo representante de educação e de terceiro setor que atue diretamente em temas de telecom) e comunidade científica. Neste último, porém, propõe alteração no peso. "A atuação desse grupo deveria ser semelhante ao conselho da ICANN", no qual grupo focaria em apoiar e trazer suporte técnico. "O (grupo) da academia teria direito a um voto, e as decisões sempre teriam que passar por consenso ou maioria absoluta", declara o diretor do sindicato de operadoras, Alexander Castro. 

A proposta da Federação Brasileira de Telecomunicações (Febratel) é de que o conselho do CGI reflita diferentes prestadores de serviços de telecom e infraestrutura, e de forma separada dos provedores de aplicações. Assim, mostrou "apoio total" à sugestão apresentada pelo SindiTelebrasil.

"Não faz nenhum sentido que a academia e comunidade técnica tenham apenas papel de aconselhamento, e não de voto", criticou a coordenadora do Intervozes, Veridiana Alimonti. "Isso é contrário inclusive ao que o Marco Civil estabelece, que a governança deve ser multiparticipativa, multissetorial – ou seja, incluindo a academia", declarou. "Por que criar setores com peso diferente?", indagou a representante do Barão de Itararé, Renata Mieli. "Seria um equívoco."

Ausência de governo

Além de discussões sobre a reformulação da composição, a audiência trouxe um dado levantado pela Youth Observatory. A entidade realizou análise das atas de reuniões do CGI.br e constatou 69 faltas do setor governamental nas últimas 29 reuniões, abrangendo um período de janeiro de 2015 a setembro de 2017. "Não que quantidade seja qualidade, mas a diferença entre setores é enorme", declarou o representante da Youth, Élisson Diones. "O MCTIC só participou de dez reuniões, não é achismo." A planilha utilizada para o levantamento pode ser acessada clicando aqui.  "É importante que o governo reflita sobre o estudo", reforçou Veridiana Alimonti.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top