OUTROS DESTAQUES
Nova Oi
Após RJ, Oi foca na cobertura 4G com refarming
terça-feira, 17 de Abril de 2018 , 17h30

Após a aprovação do plano de recuperação judicial, a Oi pretende agora direcionar os investimentos em infraestrutura e tecnologia para conseguir um retorno maior, especialmente na captura de novos clientes e no segmento pós-pago, além de procurar manter o cliente por meio de ofertas convergentes. A estratégia da companhia foi detalhada em evento para times de vendas da operadora em Campinas (SP) nesta quarta-feira, 17, e procura mostrar o encaminhamento da empresa para o aporte adicional de R$ 1,5 bilhão com o aumento de capital ao Capex garantido de R$ 5,5 bilhões, que será destinado especialmente para a cobertura de 4G via refarming, fibra (incluindo FTTH), além da transformação digital.

O diretor comercial da companhia, Bernardo Winik, lembra que houve um movimento atípico do churn móvel em 2017 devido a dois reajustes de preço, e que a tendência é que isso seja estável neste ano. E assim, pretende crescer "acima de dois dígitos" no pós-pago, especialmente com as ofertas convergentes com o fixo. "A gente olha que a concorrência vem crescendo em pós, e a gente não está crescendo. Com esse produto (a renovação de portfólio), e com a melhoria de oferta, experiência de uso, cobertura, a gente espera acompanhar a tendência", declara.

Por isso, a cobertura 4G para manter o cliente e capturar novos é fundamental para a operadora. A Oi está trabalhando para ampliar o refarming da faixa de 1,8 GHz, permitindo não apenas ter um maior alcance, mas também oferecer o LTE-Advanced por meio da agregação de portadoras com 2,5 GHz. Serão 26 cidades novas até o final do ano, com piloto já começando em Fortaleza (em julho, chegará à região metropolitana da capital cearense) e ainda neste segundo trimestre, em Salvador. Depois, a empresa implantará em capitais como João Pessoa, Recife, Natal, São Luís, Belém e Palmas, entre outras cidades. "A região Nordeste será grande beneficiada em 2018, os primeiros números mostram melhoria na experiência de uso", diz.

Infraestrutura

Também está nos planos o compartilhamento de rede. Segundo Bernardo Winik, a Oi "continua conversando com TIM e Vivo" para isso (a operadora já conta com RAN-sharing em 2,5 GHz). Para outras frequências também há a possibilidade. "Ainda não tem nada para adiantar, mas é uma possibilidade que estamos estudando", declara.  Ele garante que a cobertura, mesmo sem a faixa de 700 MHz, tem potencial competitivo. "Temos menos número de cidades, mas quando olha a população coberta, temos 73%, o gap é bem menor quando se olha o número total", afirma.

Até por isso, a companhia prefere não contar com um eventual leilão de 700 MHz. "No momento em que acontecer o leilão, a gente vai olhar. Para a melhorar a cobertura, não precisamos. Claro que gostaríamos para cidades menores e cobertura em estrada, mas não sabemos das condições do leilão ainda", afirma Winik. De acordo com o diretor de produtos de mobilidade e conteúdos, Roberto Guenzburger, nos grandes centros urbanos a faixa de 700 MHz "gera interferência e piora a experiência de uso, porque é uma frequência muito baixa que vai muito longe". Ele explica que o uso de 1,8 GHz é uma "vantagem competitiva" no Nordeste.

Investimentos

O investimento em 4G também significa avanço na estratégia FTTH por conta da sinergia da infraestrutura, garante o diretor de produtos residencial e convergência, Ermindo Cecchetto. "O backbone é compartilhado (com os sites móveis), e todo o estudo de investimento que dividiu o País em 9 mil clusters – são mais do que o número de cidades – previu a demanda da banda larga fixa e móvel, e aí a gente vê a última milha, priorizando onde achamos que tem mais retorno de capital", diz. Em termos de acesso, metade do investimento será para a infraestrutura FTTH, e a outra para 4G.

Vale lembrar que a Oi espera conseguir a conversão de ações de acordo com o plano da RJ até o segundo trimestre, com o aporte de capital até o último trimestre. O mínimo garantido do aumento de capital é R$ 4 bilhões, mas o valor poderá crescer até R$ 12 bilhões.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top