OUTROS DESTAQUES
Satélites
HughesNet planeja cobrir 5 mil cidades até o final do ano; mercado de banda Ka se movimenta com Viasat
quarta-feira, 16 de Maio de 2018 , 00h51

Em meio a uma disputa entre as operadoras privadas de satélite e a Telebras por conta do contrato entre a estatal e a Viasat, a Hughes, uma das empresas que hoje oferece serviços de acesso à banda larga por banda Ka ao usuário residencial por meio da HughesNet, resolveu reforçar a divulgação de seus planos para o Brasil. A empresa publicou press-release reiterando seus planos de ampliar, até o final do ano, a sua cobertura para mais 1 mil cidades, que somadas às 4 mil cobertas hoje totalizarão 90% da população brasileira, incluindo os estados da região Norte. A empresa espera o lançamento de um novo satélite no meio do ano (o Telesat 19, com capacidade de cerca de 31 Gbps), explica Rafael Guimarães, presidente da Hughes no Brasil. Hoje a empresa opera com capacidade do satélite Eutelsat 65W (com cerca de 24 Gbps). Para 2021, a companhia tem planos de lançar o satélite próprio Echostar XXIV/Jupiter 3, "que será utilizado para entregar conexões de até 100 Mbps a empresas e usuários finais em praticamente todos os países das Américas, incluindo Brasil, EUA, Canadá, México e outras regiões", diz o comunicado da empresa. A expectativa é que o Jupiter 3 tenha capacidade de cerca de 70 Gbps para o Brasil. O satélite utilizará tecnologia de ultradensidade (UHDS) para transmissão, e será responsável por mais que dobrar a capacidade de banda da Hughes no continente.

A movimentação da Hughes de reforçar seus planos para o país não é à toa. A sua concorrente direta no mercado norte-americano é a Viasat, pretende entrar no mercado brasileiro por meio da parceria com a Telebras. Caso a estatal consiga desembaraçar o acordo na Justiça e derrubar liminar que impede a operação, a expectativa da Telebras é que em um ano a Viasat ocupe 100% do SGDC, segundo apurou este noticiário. A Viasat, pelo acordo, poderá utilizar 58% da capacidade de 60 Gbps do SGDC para atender o mercado privado, podendo ainda, sob determinadas condições, ampliar a utilização com banda reservada para a Telebras. A Viasat já anunciou que seu foco será no mercado de comunicação em aviões (IFC), em serviços a consumidores de baixa renda e áreas remotas (similar ao que opera no México e Austrália) e também nos mercados corporativos e residencial. A Viasat vinha costurando planos de entrar no Brasil, mas só em 2021, quando terá seu satélite de altíssima capacidade, o Viasat 3, disponível para a região. Com a parceria com a Telebras, a empresa ganhou três anos no cronograma e 100% de cobertura no território brasileiro instantaneamente. Além disso, a Viasat não precisou participar de uma disputa por posição orbital (cujos valores têm saído na casa de algumas dezenas de milhões de reais), esperar a construção do seu próprio satélite e nem correr o risco de um satélite dedicado inteiramente ao Brasil. A capacidade do SGDC é também igual a toda a capacidade em banda Ka disponível hoje para o Brasil.

Conforme o contrato celebrado com a Telebras, o "investimento" inicial que a Viasat fará é, na prática, a instalação de 50 mil estações VSAT que a Telebras demandará em um pouco mais de um ano, mais os equipamentos de banda-base e gateways necessários à operação do satélite. Algo cujo custo estimado é de R$ 500 milhões, mas que no caso da Viasat pode ser muito menos por ser ela a própria fabricante dos equipamentos. Além disso, a Viasat arcará com o custo de manutenção e operação destes equipamentos dedicados à Telebras (R$ 400 milhões ao longo da duração do contrato, que é de 10 anos, prorrogáveis por mais cinco). Quando utilizar capacidade do SGDC para os seus serviços, a Viasat terá que ceder uma parte das receitas para a Telebras, a título de uso de capacidade, mas os percentuais de partilha e os custos de aluguel dos equipamentos não são públicos (fazem parte das partes "tarjadas" do contrato, cuja íntegra está disponível aqui). A Viasat, aliás, lançou nesta terça, 15, o seu site em versão brasileira: www.viasatdobrasil.com.br

Além da Viasat, a HughesNet, que chegou a mais de 80 mil assinantes de banda larga no Brasil em pouco mais de um ano e meio de operação, espera ainda a entrada da Yahsat no mercado, algo que deve acontecer no começo do segundo semestre. A Yahsat também tem um modelo de negócios baseado na oferta de serviços corporativos e residenciais em banda Ka. Outras empresas com capacidade em banda Ka, como a Hispamar também preparam suas estratégias para o mercado residencial e empresarial.

Evento

Nos dias 14 e 15 de agosto, no Rio de Janeiro, a Glasberg Eventos, com apoio da TELETIME, organiza o Congresso Latinoamericano de Satélites, o principal evento dedicado ao mercado de satélites no Brasil. Um dos temas em pauta é a competiçao no mercado de banda Ka e as consequências da estratégia da Telebras em parceria com a Viasat para o mercado brasileiro. Mais informações sobre o evento no site www.satelitesbrasil.com.br

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top