OUTROS DESTAQUES
TV por assinatura
GVT TV chega com pacotes HD a partir de R$ 59,90
quinta-feira, 15 de setembro de 2011 , 18h31 | POR LETÍCIA CORDEIRO E DANIELE FREDERICO

Apostando na oferta HD desde o pacote de entrada e em uma solução híbrida, que combina broadcast de programação linear via DTH e conteúdos on demand e interativos em cima da banda larga (por IPTV), a GVT lançou nesta quinta-feira, 15, seu serviço de TV por assinatura GVT TV.  O desenho do produto consumiu 14 meses de trabalho, 12 dos quais dedicados principalmente ao empacotamento dos canais, ponto-chave na estratégia da operadora.

São 140 canais, dos quais mais de 30 em alta definição. Como adiantado por este noticiário, mesmo o pacote de entrada da GVT TV terá pelo menos cinco canais pagos em HD. São três pacotes: Super HD, com 26 canais pagos, sendo cinco HD, a R$ 59,90; Ultra HD, com 45 canais pagos, sendo nove HD, a R$ 89,90; e Ultimate HD, com 72 canais pagos, sendo 14 HD, a R$ 129,90. Às duas primeiras ofertas podem ser adicionados ainda, por R$ 19,90 cada, os pacotes de esportes (com canais como ESPN HD, ESPN Brasil, Esporte Interativo e BandSports), e de canais internacionais (com canais como NHK, SIC Internacional, RAI e TV5 Monde), ambos já incluídos no Ultimate HD. Os canais Globosat estão disponíveis desde o pacote básico.

Os canais Telecine e HBO poderão ser adicionados a qualquer um dos três pacotes. Para ter todos os canais Telecine, o assinante pagará R$ 39,90 ao mês; e para receber os canais HBO, deverá desembolsar outros R$ 34,90 mensais. Os preços incluem os canais HD das duas redes. É interessante destacar a estratégia da GVT de contratar dos programadores apenas os canais HD (no caso daqueles que têm a mesma programação em HD e SD). “Isso foi possível porque os decodificadores HD têm a capacidade de fazer eles próprios a conversão para standard definition para televisores sem alta definição”, explica o diretor de marketing e produtos da GVT, Ricardo Sanfelice.

Assim como acontece em outras operadoras, o assinante poderá contratar canais à la carte como Premiere FC, Combate e Sexy Hot.

Para a recepção de canais abertos, os set-top boxes terão conversor do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre integrado, para captar o sinal aberto. “Assim, nas praças onde o sinal digital já está disponível, o assinante poderá receber os canais abertos em alta definição. Além disso, os sinais dos canais abertos também estão sendo carregados no satélite em SD”, detalha o head de TV por assinatura da GVT, Dante Campagno. O modelo já é adotado pela Sky e pela Via Embratel.

A GVT TV  fechou um contrato de 10 anos com a Intelsat para o uso do satélite Galaxy 11, deslocado da África para a posição 55,5 º W para atender à operadora no Brasil. O satélite, no total, tem 16 transponders em banda Ku, dos quais a GVT tem autorizados 10 transponders na Anatel.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top