OUTROS DESTAQUES
TV por assinatura
Pacotes de TV paga incorporam mais canais, mesmo com queda na base de clientes
sexta-feira, 15 de junho de 2018 , 17h25

A Ancine publicou no OCA (Observatório Brasileiro do Cinema e Audiovisual) um informe sobre o mercado de programação de TV paga. O Assinantes no Mercado de Programação na TV por Assinatura 2018 traz dados do período compreendido entre junho de 2016 e dezembro de 2017. O estudo aponta o aumento do número de canais nos pacotes ao longo deste período. Embora a base de assinantes do serviço de TV tenha caído 4,4% entre o meio de 2016 e o final de 2017, a soma dos assinantes do conjunto de canais cresceu 6,1%, o que sugere um aumento no número médio de canais nos pacotes de programação das operadoras. Enquanto a base caiu de 18,91 milhões para 17,97 milhões de assinantes, a soma dos assinantes de todos os canais de TV paga subiu de 1,25 bilhão para 1,38 bilhão (o assinante é contabilizado uma vez por cada canal em seu pacote de programação). Durante este período, a evolução de canais na TV paga foi de 203 para 214, uma adição líquida de 11 canais.

A grande maioria dos novos canais incluídos nos pacotes foi em alta definição. Dos 14 lançados naquele ano e meio, 12 eram em alta definição. Com isso, o número de canais em HD na TV por assinatura chegou a 100, ou 46,7% do total. Apenas cinco canais eram exclusivos em HD em dezembro de 2017, contra 19 exclusivamente em SD. Os outros 190 canais eram transmitidos nas duas definições.

Pode-se notar ainda um avanço da base para os pacotes com canais em alta definição. Enquanto em junho de 2016 29,3% da base tinha canais em HD, em dezembro de 2017 o percentual era de 37,3%. Apesar da evolução na base HD, os canais premium perderam espaço no pacote médio de programação. Em dezembro de 2017, 76,6% dos canais ofertados eram básicos e contavam com 90,8% das assinaturas. Ou seja, 23,4% dos canais eram considerados premium, contando com 9,2% da base de assinantes. Dezoito meses antes, embora o número de canais premium ainda fosse o mesmo (50), eles representavam 24,6% do total, o que se explica pelo aumento do número de canais básicos. O percentual de assinantes dos canais premium em junho de 2016 era 10,3%. Embora o saldo final dos 18 meses seja negativo para a base de assinantes de canais premium, durante parte deste período (de dezembro de 2016 a junho de 2017), houve uma variação positiva para os canais premium, o que se explica pela sazonalidade dos canais esportivos.

Grupos econômicos

De acordo com o levantamento da Ancine, Globo e Time Warner concentravam, juntas, 56,1% dos canais existentes em dezembro de 2017. O grupo Globo contava com 62 canais, dos quais 31 tinham programação distinta, enquanto a Time Warner contava com 58 canais, sendo 32 de programação distinta. Os grupos eram seguidos por Discovery (20 total e 11 com programação distinta), Fox (17 , sendo 10 com programação distinta), Disney (5 canais, dos quais 4 eram distintos) e Viacom (10 canais, com 5 programações distintas).

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top