OUTROS DESTAQUES
BANDA LARGA
Vivo e Net se defendem e alegam que franquia ajuda a dimensionar uso da rede
sexta-feira, 15 de abril de 2016 , 13h18

Em resposta às críticas de consumidores, entidades representantes da sociedade civil e até do Ministério das Comunicações em relação ao limite na franquia de dados para a banda larga fixa, Net e Vivo divulgaram nesta sexta-feira, 15, sua justificativa para a prática. Ambas alegam motivo técnico para estabelecer o novo modelo de cobrança, oferecendo em contrapartida um serviço melhor aos usuários.

Em comunicado, a Net ressalta que a implantação de franquia sempre esteve no contrato do serviço fixo da empresa, e nada mudou desde então. Diz ainda que é possível monitorar o consumo e que a prática a ajuda a moldar a infraestrutura. Segue a nota na íntegra:

"A Net informa que não houve qualquer alteração recente nas políticas e características de seus planos de banda larga. Desde o lançamento do serviço, a franquia está prevista em contrato e pode ser acompanhada através da seção Minha Net, no site www.net.com.br. Com a franquia, a Net consegue dimensionar adequadamente sua rede e oferecer a seus clientes sempre as maiores velocidades e os melhores preços."

O posicionamento é semelhante ao praticado pela Telefônica/Vivo para com os clientes. No atendimento em redes sociais, a operadora passou a informar aos usuários sobre a validade dos contratos novos – o limite de franquia valerá de fato somente em 2017 e apenas para quem contratou a ADSL a partir de fevereiro e a fibra (FTTH) em abril em diante. Mas afirma também que a "a medida contribui para a operadora buscar o dimensionamento mais adequado da rede de dados e, com isso, poder oferecer uma melhor experiência da Internet fixa". Afirma ainda que a modalidade de Banda Larga Popular, nos moldes do PNBL, já possuía franquia desde o seu lançamento, em 2010.

A este noticiário, a Oi já havia encaminhando posicionamento na quinta-feira, 14, alegando que, apesar de constar no regulamento, "atualmente" não limita a redução de velocidade ou corte do serviço de banda larga após o fim da franquia. Afirmou ainda que o limite de consumo mensal é proporcional à velocidade contratada.

COMENTÁRIOS

10 Comentários

  1. juliano kraft romeiro disse:

    As operadora só pensam em lucro, não oferecê um bom serviço e ainda querem limitar o uso, isso é uma vergonha só aqui no brasil mesmo, o pais dos esperto e dos impunes.

  2. Johnny disse:

    As operadoras estão no direito de impor franquia na Internet fixa afinal o sistema é privado (o governo não pode sair metendo o nariz em tudo) sendo assim elas podem vender seus planos do jeito que elas quiserem.

    E por fim não é exclusividade no Brasil franquia na Internet fixa, lá fora também especialmente nos EUA. As operadoras de lá também adota isso é gritaria também aconteve.

    PS: O Governo Federal não tem que se preocupar com isso. Há muitas coisas importantes a serem feitas nesse país do que estar se preocupando com o Mimimi dos internautas.

    Que aliás como disse uma representante da Vivo em entrevista em outro portal especializado em tecnologia, o estouro da franquia só atingirá 1% da base de clientes da empresa. Só 1% e toda essa gritaria? Fala sério.

    • Johnny disse:

      O máximo que o Governo deveria fazer é exigir no caso da Vivo que a mesma mantenha o antigos contratos em vigor conforme determina o Código de Defesa do Consumidor.

      No caso na Net e da Oi não valeria o mesmo argumento já que as mesmas já adotam franquia desde que foram lançadas o seus respectivos serviços de banda larga a mais de 15 anos.

      No caso da Vivo o ideal seria adotar o novos contratos a partir do ano que vem. Já que ela vai adorar franquia em 2017, o certo seria isso para evitar confusão.

      A possibilidade de usuário adquirir o serviço da empresa esse ano e achar que estar fora dessa limitação é alta. Então o ideal seria adotar os novos contratos a partir de 2017 para evitar queixas e confusão no atendimento.

      • Paulo de Oliveira disse:

        Ao invés das empresas brigarem para oferecer maior velocidade e menos valor (básico de uma concorrência de mercado: maior procura, menor valor), e assim melhorar a qualidade da internet no nosso país – que além de cara, é uma droga – idealizam impor regras para que não se faça investimento sob pretexto de "adequar a rede"????

        E o pior: é ver gente que está abraçando o discurso dos idealizadores desses limites. Você está acreditando mesmo nessa lenga lenga do 1%? Faça-me o favor você!

        • Carlos disse:

          deve ser aqueles robôs que as empresas bancam na internet para defender seus intere$$es

          rs rs rs

        • Matheus Dilon disse:

          É o fim da picada, não é Paulo?! Fala sério!! Não tem banda suficiente pra oferecer velocidades exorbitantes de conexão? Então venda menos! Já defendi muito a GTV justamente por não ter limites. Mas é assim mesmo. A maior quer comprar, o CADE aprova e a Anatel assina embaixo essa vergonha! #ForaCotas #AVivoEstáMorta #EuQueroLiveTim!

      • Lopes disse:

        Parabéns pelo comentário consciente! Esse tipo de cobrança já é realizada assim em outros países, quem usa mais paga mais…Quem está fazendo esse barulho todo são os heavys users que passam quase que 24 horas consumindo dados, compartilha senha com vizinhos e paga o mesmo valor que um usuario que usa pouco. Quero pagar pelo que uso no mesmo tipo de cobrança de agua e luz!

  3. Marcelo alves disse:

    A vivo comprou a GVT monopolizou não temos opção ,Net e oi são as principais operadoras ,não exste concorrência ,o governo não podia autoriza a venda da GVT ,o governo administra para grandes empresas ,o pais perdeu a mola do crescimento ,muitas empresas divulga seus serviços na internet ,vão sofre ,estamos lascados ..

  4. Rodrigo Sena disse:

    é o cúmulo eu ter de pagar veloc 10Mb R$ 70,00 por serviço de internet ilimitado e agora ter franquia?! Já não basta não oferecerem planos de velocidades menores (1Mb, 5Mb ,7,5 Mb 10Mb). Acham que nado em dinheiro?
    Várias vezes pedi planos a NET e somente houvi que não era possível, então vou pensar com carinho em cancelar este serviço, manter apenas o fixo e colocar recarga no eu celular!!! NET vão se danar!!!
    Sr Carlos Slim já está bem milionário e nossos políticos bem ladrões do meu dinheiro!!!

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top