OUTROS DESTAQUES
COMPARTILHAMENTO DE POSTES
Anatel exige a aplicação do valor de referência em contratos de aluguel de postes
terça-feira, 14 de novembro de 2017 , 19h01

A Superintendência de Competição da Anatel publicou nesta terça-feira, 14, decisões da comissão de arbitragem em nove processos sobre controvérsia no preço de uso de postes entre prestadoras de serviços de telecomunicações e distribuidoras de energia. Em todos os informes a agência estabeleceu o preço de R$ 3,19 por ponto de fixação, valor de referência definido na resolução conjunta da Anatel e Aneel, publicada em 2014.

A maioria dos processos foi solicitada por pequenos provedores, com a exceção do referente à disputa entre a Intelig (TIM) e a Companhia Energética de Pernambuco (Celpe). No processo de resolução de conflito as duas empresas até concordaram em usar o preço de referência, mas discordam quanto à restituição ou compensação aos valores indevidamente pagos pela Intelig desde a apresentação do processo em outubro de 2015, um montante de aproximadamente R$ 73 mil.

Na decisão, a comissão determina que as diferenças sejam acertadas entre as partes, considerando as diretrizes estabelecidas, entre elas a correção pelo IGP-DI tendo como data base 30 de dezembro de 2014, data da publicação da Resolução Conjunta nº 4. Nesse caso, o valor cobrado pelo compartilhamento do poste pela distribuidora era de R$ 4,63 por ponto de fixação.

Já no caso dos processos de pequenos provedores, o preço cobrado por poste pelas distribuidoras de energia chegava a R$ 8,24, como no processo de resolução de conflito entre a Vespanet e a Cemig, uma das mais demandas nos processos. A empresa de energia alegou que o valor proposto na resolução conjunta se trata apenas de um preço de referência, "não sendo matéria aplicável compulsória e unilateralmente a contratos novos ou mesmo a contratos vigentes". Ao final, afirmou que para o cumprimento isonômico de todas as exigências regulatórias estabelecidas para o compartilhamento, manteria o valor definido no contrato celebrado com a Vespanet.

A Energisa, que mantinha contrato com a Beleza Network, alegou que a redução brusca no preço de todos os contratos de compartilhamento geraria a elevação das tarifas de distribuição de energia elétrica. A empresa frisa que o custo unitário por ponto de fixação deve respeitar os ganhos de escala, respeitando-se as especificidades de cada caso. Por fim, solicita a manutenção do preço e condições atualmente praticados, de forma a manter o equilíbrio econômico financeiro do contrato; ou alternativamente que a redução pleiteada seja realizada gradativamente ao longo de dez anos, como prevê a resolução. A distribuidora chegou a cobrar R$ 6,73 por poste alugado.

As decisões da comissão de arbitragem são administrativas, mas as empresas de telecom ficam obrigadas a informar, por meio de ofícios, se as determinações foram atendidas.

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Silvio disse:

    "O rio só deságua no mar"
    "Chora menos quem pode mais"
    "A ganância corroe e degrada".Os direitos deveria ser igual para todos mas,não é assim que funciona.
    Mas ai entra o poder da barganha. E para quem sabe ler o pingo no "i" é letra.
    E as grandes operadoras pagam menos que R$3,19.Como disse, é o poder da barganha que os pequenos não tem.O preço deveria ser igual para todos. E se formos contabilizar todos custos que o provedor tem, R$3,19 ainda está alto.
    Enquanto trabalhamos arduamente para levar a inclusão digital, contribuindo, deveríamos ter incentivo e não tirar.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top