OUTROS DESTAQUES
Balanço financeiro
Apesar de trimestre com quedas, AMX encerra 2017 com avanço nas receitas
quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2018 , 12h05

A América Móvil enfrentou um final de 2017 com queda nas receitas e prejuízo, embora o acumulado do ano tenha se mostrado ainda positivo. Na avaliação do grupo mexicano (que controla Claro, Embratel e Net no Brasil) em balanço financeiro, os últimos três meses do ano passado "terminaram em uma nota forte", com destaque para o avanço no mercado brasileiro. "Com os preços de commodities se firmando, vários países latino-americanos encontraram novos estímulos para expansão, particularmente no Brasil, que está se recuperando de uma recessão longa e prolongada", declara o comunicado da empresa divulgado na noite da terça-feira, 13.

A receita total foi de 263,859 bilhões de pesos mexicanos (US$ 14,09 bilhões) no trimestre, uma queda de 2%. No acumulado do ano, foram R$ 1,021 trilhão de pesos (US$ 54,55 bilhões), aumento de 4,7%. Desses totais, as receitas de serviço somaram 220,920 bilhões de pesos (US$ 11,797 bilhões) no trimestre (queda de 1,2%) e 878,411 bilhões de pesos (US$ 46,907 bilhões) no ano (aumento de 5,6%). Já as receitas de equipamento totalizaram 42,939 bilhões de pesos (US$ 2,292 bilhões) nos últimos três meses (redução de 6,3%) e 143,222 bilhões de pesos (US$ 7,648 bilhões) no ano (queda de 0,2%). O grupo destaca que a receita média por usuário (ARPU) móvel cresceu "praticamente em todo lugar" por conta das receitas de dados.

Por conta do "ritmo econômico positivo" na região, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBTIDA) ajustado – que não inclui custos associados a decisões judiciais na Colômbia – apresentou avanço de 6,8% no trimestre e de 8,3% no ano, totalizando respectivamente 70,153 bilhões de pesos (US$ 3,746 bilhões) e 277,302 bilhões de pesos (US$ 14,807 bilhões). A margem EBTIDA foi de 26,6% (aumento de 2,2 pontos percentuais) e de 27,1% (avanço de 0,8 p.p.), também respectivamente.

O prejuízo líquido da companhia no trimestre foi de 11,295 bilhões de pesos (US$ 603,15 milhões), um aumento de 89,1% em relação ao prejuízo do quarto trimestre de 2016. Porém, no acumulado do ano, a AMX ainda registrou lucro líquido: 29,326 bilhões de pesos (US$ 1,566 bilhão), mais do que o triplo (239,1%) do registrado em 2016.

A dívida líquida da empresa em dezembro era de 614,5 bilhões de pesos (US$ 32,81 bilhões), redução de 15,2 bilhões (US$ 81 milhões) durante o ano.

De acordo com a companhia, houve impacto significativo na receita por conta da redução de 16,1% em Porto Rico após o desastre do furacão que destruiu a infraestrutura na ilha em setembro. Excluindo o desempenho no país caribenho, as receitas de serviço consolidadas teriam crescido 1,9%, enquanto o EBTIDA avançaria 12%.

Brasil

Considerando as operações brasileiras da Claro, Embratel e Net, mas excluindo transações intracompanhias, a América Móvil registrou R$ 8,937 bilhões de receitas no Brasil no trimestre, um aumento de 0,8%. No acumulado do ano, entretanto, houve queda de 1,4%, total de R$ 35,478 bilhões.

Dentro desse universo, os serviços fixos e outros apresentaram queda de 2,4% no trimestre (R$ 5,887 bilhões) e de 1,9% no ano (R$ 23,805 bilhões). Os serviços móveis somaram R$ 3,051 bilhões no trimestre (7,3% de aumento) e R$ 11,674 bilhões no acumulado de 2017 (queda de 0,3%).

O EBTIDA aumentou 11,6% no trimestre e 6% no ano, totalizando respectivamente R$ 2,689 bilhões e R$ 10,130 bilhões. A margem EBTIDA ficou em 30,1% (aumento de 3,1 p.p.) e de 28,6% (avanço de 2 p.p.).

Operacional

A AMX totalizou 362 milhões de acessos de todos os serviços no mundo, com aumento de 6,4% no pós-pago – 1,7 milhão de adições líquidas no último trimestre, sendo um milhão apenas no Brasil – e de 4,2% em banda larga fixa. No pré-pago e na TV paga, por outro lado, houve queda de 2,6% em ambos os segmentos. A voz fixa caiu 1,9%.

No total, a Claro reduziu a base móvel no Brasil em 1,9% no ano, totalizando 59,022 milhões de acessos. Desses, 38,687 milhões eram pré-pagos (queda de 7,6%) e 20,335 milhões, pós-pagos (aumento de 11,1%). O ARPU da Claro foi de R$ 16, aumento de 10,2%. E os minutos de uso (MOU, que não mais incluem acessos M2M) aumentaram 7,3% e ficaram em 103. O churn foi reduzido em 0.8 p.p. e encerrou dezembro em 4,7%.

Em unidades geradoras de receita (UGRs) em serviços fixos (voz, banda larga e TV) no Brasil, foram 35,904 milhões de acessos, redução de 2,2%. 

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top