OUTROS DESTAQUES
Balanço financeiro
Oi volta a apresentar lucro no trimestre
segunda-feira, 13 de novembro de 2017 , 20h46

Considerando somente a operação brasileira, a Oi reverteu no terceiro trimestre tendência de prejuízos registrada desde setembro de 2015, segundo informou a companhia no balanço financeiro divulgado nesta segunda-feira, 13. A empresa reverteu prejuízo de R$ 1,267 bilhão no terceiro trimestre de 2016 para lucro de R$ 218 milhões entre julho e setembro deste ano. No consolidado dos nove meses, apesar de ainda ter prejuízo (R$ 2,920 bilhões), conseguiu a redução em 11%.

A receita líquida total da operação foi de R$ 5,918 bilhões no trimestre, recuo de 4,4%. No acumulado do ano, foi de R$ 17,775 bilhões, queda de 6,7%. Desse total, a maior parte da receita líquida veio de serviços: R$ 5,863 bilhões (queda de 4,7%) e R$ 17,606 bilhões (redução de 6,8%) no trimestre e nos nove meses, respectivamente.

O serviço residencial foi responsável por R$ 2,321 bilhões (recuo de 1%) e R$ 6,902 bilhões (queda de 2,3%) na receita de serviços. Já o de mobilidade pessoal de clientes (exclui aparelhos) obteve receita de R$ 1,761 bilhão (aumento de 0,4%) nos três meses e de R$ 5,222 bilhões (recuo de 0,8%) nos nove meses. A companhia explica que houve queda no volume de recargas do pré-pago, além de cortes de interconexão e redução natural de tráfego de voz. Por outro lado, diz que houve continuidade do crescimento da receita de dados e da TV paga, além de crescimento na receita da base pós-paga  de serviço móvel.

Já os serviços B2B mostraram recuos de 12,9% (total de R$ 1,596 bilhão) e de 15,3% (total de R$ 4,926 bilhões) no trimestre e nos nove meses, respectivamente. A queda foi justificada pelo menor tráfego de voz, corte nas tarifas de interconexão e na "lenta recuperação econômica do País, impactando clientes corporativos e governos que procuram reduzir custos, bem como o encerramento das atividades de agências e pontos de vendas". A empresa destaca que a receita de TI no consolidado de B2B aumentou 18,7% no comparativo anual.

O Capex da Oi no trimestre foi de R$ 1,339 bilhão (aumento de 36,3%), dessa forma atingindo 22,6% da receita líquida em investimentos, contra 15,9% no ano passado. De janeiro a setembro, o Capex foi de R$ 3,794 bilhões, avanço de 11,6%.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBTIDA) de rotina foi de R$ 1,597 bilhão no trimestre, aumento de 4,1%. E de R$ 4,890 bilhões nos nove meses (aumento de 4,8%). A margem EBITDA de rotina aumentou 2,2 pontos percentuais, ficando em 27% no trimestre. Nos nove meses, foi de 27,5%, avanço de 3 p.p..

Consolidado

O Grupo Oi S.A. consolidado, que considera as operações internacionais, registrou queda de 6,7% na receita no trimestre, fechando o período com R$ 5,964 bilhões, enquanto no acumulado do ano o recuo foi de 8,7%, total de R$ 17,962 bilhões. A companhia reverteu também o prejuízo: de R$ 1,214 bilhão no ano passado para lucro de R$ 8 milhões no trimestre, embora no acumulado de nove meses ainda registre prejuízo de R$ 3,465 bilhões, uma redução de 6,7%. O EBTIDA foi de R$ 1,605 bilhão no trimestre (queda de 2,4%) e de R$ 4,945 bilhões (aumento de 2,1%) no acumulado de janeiro a setembro.

A dívida da companhia aumentou 7,1% no período, fechando setembro em R$ 44,109 bilhões. O caixa disponível aumentou 8,1%, ficando em R$ 7,717 bilhões – a companhia afirma que, desde a entrada em Recuperação Judicial, gerou R$ 2,6 bilhões de caixa. E o Capex avançou 34,1%, encerrando o trimestre em R$ 1,346 bilhão; enquanto no ano foi de R$ 3,847 bilhões (aumento de 9,6%). A Oi afirma ter reduzido custos em R$ 337 milhões no trimestre, acumulando R$ 1,5 bilhão de redução nos nove meses.

Operacional

A Oi encerrou setembro com 62,931 milhões de unidades geradoras de receita (UGRs), uma queda de 7,3% no comparativo anual. Desses, 16,121 milhões eram residenciais (redução de 2,3%); 39,626 milhões de mobilidade pessoal (10,2% de queda); 6,543 milhões de B2B (redução de 1,4%); e 641 mil telefones públicos (queda de 0,4%).

Dos serviços fixos, a telefonia encerrou setembro com 9,465 milhões de UGRs, uma queda de 6,2%. A banda larga apresentou aumento de 0,8%, total de 5,207 milhões de UGRs. E a TV paga cresceu 16,2%, total de 1,449 milhão de UGRs. O ARPU residencial aumentou 5,3% e ficou em R$ 81,1.

A velocidade média da banda larga da Oi ficou em 7,9 Mbps, aumento de 23% no comparativo anual. A participação de UGRs com velocidades a partir de 15 Mbps aumentou 11,1 p.p. e ficou 21,2% no período.

Já no serviço móvel a companhia observou queda de 12,1% na base pré-paga, total de 32,807 milhões de UGRs. No pós-pago, categoria na qual inclui também contas controle, "serviços móveis convergentes" e modems, a Oi avançou 0,3%, fechando setembro com 6,820 milhões de UGRs. No trimestre, a penetração de smartphones aumentou 12 p.p., sendo que a de aparelhos 4G aumentou 20 p.p. no período. O ARPU móvel ficou em R$ 16,1, aumento de 9,9%.

A companhia informou ainda que encerrou o trimestre com cobertura 2G em 3.407 municípios; 1.502 municípios com 3G (aumento de 1,6%); e de 295 cidades com LTE (aumento de 12 p.p.).

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Erick disse:

    Só deixo a Oi se ela falir… mas acredito que ela encontrará uma saída.
    A Oi precisa sair da RJ e investir em 4G para voltar a briga!

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top